sábado, 20 de agosto de 2011

Pequenos Deuses


Talvez a essência das divindades sempre tenha sido a capacidade de sintetizar, o que me faz pensar que todo homem que constrói, cria e transforma alguma sempre é um pequeno deus. Pequenos criadores de microcosmos diferentes através da música, da poesia ou tecnologia. Pequenos microcosmos, que algumas vezes conseguem mudar o mundo.


O Borges escrevendo “Os Fragmentos de um Evangelho Apócrifo”, Clapton tocando “Tales of Brave Ulysses”, Miles Davis soprando o trompete, o Bukowski batendo na máquina madrugada adentro “O amor é um cão dos diabos”, Buckminster Fuller tentando transformar o mundo com suas invenções e Fernando Pessoa sendo tantos homens quantos fossem necessários para expressar a sua poesia, Todos eles deuses.


Deuses que amam, choram, sofrem e que se alegram. Ídolos de plástico vagabundo com detalhes metálicos descascando que se decompõem com o tempo, assim são esses deuses que envelhecem, adoecem e morrem em camas de hospital. Deuses fadados a imortalidade, não por si mesmos, mas pelas suas obras.



8 comentários:

M.W. (@daconito) disse...

Nesses deuses eu acredito.
Perfeito o texto. =*

Rachel Chagas disse...

Gostaria de deixar uma obra por estas vidas, não pra ser lembrada, mas pra nunca ser esquecida!

Belos e Malvados disse...

Ou Kieslowski dirigindo a trilogia: A liberdade é azul, a fraternidade é vermelha, a igualdade é branca. Deuses não sei, mas que arte dá uma outra dimensão a nossa humanidade, isso dá.

Leonardo Xavier disse...

Rachel, eu diria que ser esquecido em alguns momentos tem lá suas vantagens, kkkk!

Pior Anne, que eu confesso que o cinema como arte me passou batido quando eu tava escrevendo.

Lais Castro disse...

Eu curto muitos desses deuses! Que bom que eles existiram e existem!

Mauro Castro disse...

Bom e velho Buck...
Há braços!!

Carlos Medeiros disse...

Tenho um livro de contos do Borges, "O Aleph", que sempre tive interesse em ler, mas nunca encontrei.

Leonardo Xavier disse...

Carlos eu li "O Aleph", eu gostei dele e de "Ficções", que também é de contos. Eu acho que não deve ser tão difícil de achar que a Companhia das Letras tem a Biblioteca Borges que é relativamente recente.