domingo, 7 de agosto de 2011

Escala de Cinza

Branco e Preto Dualismo
-Ilusão é achar que a vida é assim!

Se há algo que eu acho interessante ao assistir teledramaturgia é que por mais que os aparelhos de televisão terem adquirido cores e alta definição. As tramas ainda continuam em preto e branco na forma como os antagonistas são apresentados. O vilão é sempre antiético e mau-caráter em todos os campos da sua vida. Ele consegue ser um profissional de princípios duvidosos, um mal conjugue e um familiar problemático, tudo a um só tempo. Enquanto o herói da trama é sempre o oposto completo, a personificação da virtude.


Nesse modelo temos sempre uma polarização completa. Positivo contra negativo. Preto versus branco. Luz indo de encontro às trevas. Um conflito entre forças opostas, onde cada um dos lados tem seus limites muito bem delineados e as fronteiras entre eles são intransponíveis.


Na vida real, tanto heróis quanto vilões são capazes de transpor essa linha divisória, o meridiano de Greenwich da moral e bons costumes. Nem sempre uma pessoa que é um profissional pouco honesto é necessariamente uma má pessoa ou vice-versa. Algumas pessoas podem ser maus consortes, mas bons pais. Outras são amigos bons e leais, mas verdadeiros canalhas quando se trata de relacionamento amoroso. Resumidamente, na vida real é muito mais complicado catar as pedrinhas do feijão.


No entanto, parece existir uma cultura de interpretar a realidade nesse molde dramático. Dividindo-se a realidade em dois pólos distintos. Escolhe-se um deles para ser positivo o outro como sendo e assim rotulamos o mundo entre inimigos e aliados. O que nunca vai funcionar, porque as pessoas estão sempre cruzando as margens que separam cada uma dessas posturas. Seja lá ela qual for: política, artística, emocional. Não existe socialista que não tenha lá seus pequenos impulsos consumistas ou liberal que não reconheça a importância da justiça social para manutenção das estruturas sociais. As pessoas se alternam entre comportamentos generosos e mesquinhos.


Na vida, o caráter das pessoas é muito mais complexo. As fronteiras entre trevas e luz são muito mais difusas e, muitas vezes, difíceis de distinguir. Na ficção tudo pode até ser preto no branco, mas a vida real é no mínimo em escala de cinza.


Escala de Cinza

- A vida com certeza é bem mais complexa...

9 comentários:

O Impenetrável disse...

uma maravilha de ler é o seu blog, ainda mais eu aqui, sob o drama da ressaca e seus afins.

abraço.

Leonardo Xavier disse...

Opa valeu pelos elogios e volte sempre Antonio.

Claudiane disse...

Bota complexidade nesse carater das pessoas..
Porque elas são assim tão dificeis?rs

Gostei muito do texto!

Lais Castro disse...

Mas a imagem tá linda!!!!

Anônimo disse...

Bom... se a teledramaturgia não extrapolasse ao criar personagens de características extremas, provavelmente a novela não teria ibope algum. Afinal daria na mesma coisa que o cotidiano que vivemos todos os dias.

Abraço do Felipe "Miro". Ainda estou com problemas para comentar com o meu perfil.

Leonardo Xavier disse...

Miro, eu não acho estranho a teledramaturgia usar isso. Eu acho interessante, por facilitar as pessoas criarem empatia com o herói e antipatia contra os vilões. Eu só acho estranho as pessoas acharem que na vida tudo é tão simples.

Poisonouss disse...

Leo, sei que não é exatamente essa a ideia da postagem, mas um dos motivos que me faz preferir acompanhar séries (ao invés de telenovelas) é que não existe tanto esse 8 ou 80. Os "bandidos" por vezes têm ataques de ética, e os "mocinhos" volta e meia pisam na bola com alguma coisa. Eu aprecio essa humanização dos personagens, justamente porque é disso que somos fomos. Claro que não uma divisão completa, alguns têm mais carga negativa, enquanto outros, mais carga positiva. Mas não necessariamente aquela personificação do bem e do mal propriamente dita...
Gostei! ;)

Leonardo Xavier disse...

Julie, você tem razão. Eu acho que as séries realmente tão mais para escalas de cinza do que mundo em preto e branco.

=P

M.W. (@daconito) disse...

Concordo com vc...
Mas engraçado perceber q na Insensato Coração, por exemplo, o mocinho é um tongo q ficou a novelna inteira nas costas do pai e da mulher e ainda assim pe o modelo de bondade? hahuahua

Enfim...
Tudo q é preto, ou branco, desconfie... alguma coisa existe de errado.