quinta-feira, 30 de junho de 2011

Reerguendo-se



Não é com certa incredulidade que eu escuto as pessoas quando estas me dizem que tudo acontece em suas vidas de modos e em tempos oportunos. Não que eu pense que essas pessoas estejam querendo me impressionar, nunca fui o tipo de pessoa que desperta essa impulsão, ou que o narrador dos eventos seja um mentiroso.


Porém, em minha experiência de vida, nada se encaixa perfeitamente. Tudo é turbulento, há sempre as crises, os erros, as falhas. Há sempre algo que me escapa entre os dedos por detalhes mínimos. Existem coisas que não dão certo nem no momento que deveriam e outras nunca se acertam.


Raras são as ocasiões onde a redenção ocorre no último instante. Na maioria dos casos, estamos condenados a conviver com as nossas falhas, e sempre há mais uma espreitando na esquina, como um meliante que aguarda a vítima distraída.


E a vida parece insistir em nos golpear com as adversidades, nos por de joelhos, nos fazer beijar a lona. E tudo se pode fazer é conviver com esses erros, se reerguer e permanecer em pé ainda que cambaleante. E sorrimos para vida com o sangue escorrendo pelos lábios e com os dentes tingidos de escarlate. Ela sorri de volta, com a certeza de que um dia não nos reergueremos mais.


Soco na Cara


5 comentários:

Lais Castro disse...

Muito bom texto, senhor "Discordador"... O primeiro parágrafo me levou ao "Poema em linha reta", de F. Pessoa: "Nunca conheci quem tivesse levado porrada na vida / Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo..."
Pela minha experiência, tal como você, nada é fácil, a gente obtém êxitos, mas despende muito esforço e luta muito contra as adversidades!E assim vai indo a vida!

P.S.: Somente hoje vi um comentário seu, feito há mais de um ano, na postagem "Caminho de Santiago" eheheh

Leonardo Xavier disse...

Laís, Eu acho Fernando Pessoa bem universal. Parece que ele soube captar bem a essência dos dramas humanos, meio difícil achar algo que nos perturbe ou nos inspire que ele não tenha falado.

Ricardo Chicuta. disse...

Belíssimo texto.Eu ao contrário sempre me salvo nos momentos finais.Nasci com o rabicó virado para a lua.

Leonardo Xavier disse...

Chicuta sortudo!

=P

Lais Castro disse...

Pois! Concordo contigo. Como ninguém, ele captou a essência das almas humanas!