segunda-feira, 11 de abril de 2011

Sucesso através dos erros

Eu tenho lido este livro nos últimos dias, que por sinal é o segundo livro desse autor que eu leio (o primeiro foi este outro). E apesar do livro ser mais um livro de divulgação técnica. Pensei em o quanto essa idéia de aprender com as nossas falhas pode ser válida para diversos outros aspectos na nossa vida.


Quantas vezes não ficamos estagnados, repetindo uma determinada postura e por simples comodismo repetimos diversas vezes o mesmo erro. Insistimos em relacionamentos que não atingem a nossa expectativa, mantemos certas amizades que deixaram de nos fazer bem na virada do milênio e insistimos em trabalhar em empregos que não nos trazem realização profissional.


Chega a ser impressionante o modo como nos apegamos fortemente a certos status e certos hábitos que não são o caminho da felicidade. E sem percebermos parece que criamos certo apego a infelicidade e entre todas possíveis ações que poderíamos escolher: preferimos a comodidade dos nossos erros à tentativa de fazer algo diferente.


Talvez fosse bem melhor terminar de vez com o relacionamento capenga, parar de andar com aquele amigo mala e procurar um emprego novo que nos traga mais paz alegria ao coração. E se ainda continuarmos insatisfeitos, porque não mudar de novo?


-Um dos casos de estudo do livro.

17 comentários:

Daniela Ramalho disse...

Concordo. Mas às vezes parece que ficamos formatados aos nossos erros e mesmo sabendo o que vai acontecer a seguir, fazemos o mesmo, conscientemente :S

Belos e Malvados disse...

Concordo demais contigo. Mas "apego a infelicidade" tem um nome: medo. Só não sei do que.

S. disse...

E não é?
"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Pessoa
Beijinhos fofos

Leonardo Xavier disse...

Daniela, eu acho que talvez tenha a ver com o apego a uma identidade que criamos para nós mesmos. Talvez por necessidade de se apegar a algo em mundo tão dinâmico ou talvez por medo de se reinventar todos os dias.

Anne, eu acho talvez medo de ser feliz?

S., eu acho que o Pessoa é o meu "Writing Hero"! Eu acho que é um escritor que sabia se reinventar.

Belos e Malvados disse...

Medo de tentar. Qualquer coisa.

Rachel Chagas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rachel Chagas disse...

Cara, se eu te disser que fiz exatamente isso essa semana você acredita?

- mandei um e-mail pro meu chefe que me tratou com grosseria essa semana a deixar bem claro que eu estava ali a fazer o meu serviço, não para ser humilhada e, se voltasse a se repetir, estava pedindo minhas contas. Ele me pediu desculpas!

- falei prum merda de um cara casado - que aliás trabalha comigo - que me perturba a mais de um ano pra ele tomar vergonha na cara dele e me deixar quieta. Se possível nem cruzar os olhos comigo. Tomou vergonha na cara!

- por conta de muita pressão no trabalho, falei com o cara que estava devendo parte do pagamento do curso dessa semana (me fazendo de idiota, fingindo que não sabia, que eu não tinha dito, que isso e aquilo) que se ele não pagasse TUDO até hoje, na outra semana que ele não precisaria nem voltar pra fazer o curso seguinte, por que ele não ia entrar. E ele pagou!

- me livrei de qualquer outro problema que estivesse me atrapalhando tanto pessoalmente quanto profissionalmente.

- enfim, deixei de ser uma bobona e boazinha (com quem não merece de fato) e ficar passando a mão na cabeça de todo mundo, e passei a tomar vergonha na minha cara, a ver o meu lado. Não dá pra ser legal com todo mundo nessa vida. E, sabe? Me sinto muito mais leve com tudo isso.

Semana que vem volto outra pessoa!! Aaah, nada como a paz de espírito!

Um beijo enorme e estou muito orgulhosa de mim mesma!! Feliz que só vendo!! o///

Ótimo fim de semana!

Leonardo Xavier disse...

Rachel, eu já disse que te acho ótima!

=)

Marina disse...

Já abandonei várias amizades falidas, já corri atrás de boas amizades que eu estava esquecendo. A gente só tem que perceber a diferença entre uma e outra.

M.W. (@daconito) disse...

Mudar é preciso.
Só temos que tomar cuidado pra não tomar esse "abandonar" um hábito e desistir muito fácil das coisas e principalemnte das pessoas.

Bjos!!!!!!!!!

Felipe "Miro" 'Dreads' disse...

O problema em arriscar é que sempre pode dar errado. A lei de Murphy está aí.

Já dizia Homer Simpson: A tentativa é o primeiro passo para o fracasso.

Ricardo Chicuta. disse...

Problema é que existe uma coisa chamada "Esperança" que sempre nos engana.Você sempre tem a esperança que daquela vez a coisa vai dar certo.Vai lá e comete o mesmo erro.

Leonardo Xavier disse...

Miro, talvez o maior erro que a gente pode correr é não se arriscar.

Chicuta, eu acho que existem "esperanças" razoáveis. Tipo dar uma chance a alguém que realmente quer mudar e está tendo dificuldade. Algumas vezes esperança pode ser um outro nome para auto-ilusão.

Karina Lerner disse...

odeio a comodidade, o meio termo, o morno, o "tá bom assim'. adoro agitar, inventar, fazer diferente, fazer coisas inéditas. eu geralmente sou aquele diabinho da música do raul... "enquanto freud explica as coisas, o diabo fica dando os toques"... :o)

Leonardo Xavier disse...

Karina, eu acho que eu gosto de certa comodidade, mas eu acho que é importante colocar umas pitadas de agitação na vida e que a gente não pode se acomodar com algo que não gosta.

Glauco M disse...

Se eu não o conhecesse diria que era emo.

Leonardo Xavier disse...

Rony, minha deficiência capilar não me permitiria virar emo. Até hoje não vi um emo careca, kkk!
ps: eu acho legal os teus comentários por aqui são sempre engraçados.