quarta-feira, 2 de março de 2011

A Metamorfose

Metamorfose

Franz Kafka no seu livro a metamorfose narra a história de Gregor, um caixeiro viajante que acorda na pele, ou melhor dizendo na carapaça, de um besouro gigante. Após a transformação Gregor passa a sentir a repulsa da família pela sua nova forma e aos poucos vai se sentindo cada vez mais rejeita e diminuído enquanto sofre um processo definhamento.


No Brasil, há uma metamorfose que acontece na realidade semelhante a que ocorre na ficção fantástica de Kafka. Ricardo Neis acorda e entra em sua carapuça de aço com uma pintura reluzente e, atrás dessas carapuças, conduz nas nossas vias públicas. Porém, ao contrário de Gregor no livro do Kafka, o nosso personagem passa a se sentir cada vez mais especial atrás de sua nova carapaça inorgânica e, aos poucos, se torna uma criatura desumana com um ego gigante. Atingindo o ápice de se achar maior que a lei e crendo veementemente que o seu direito de passear pelas vias públicas atrás do volante está acima do direito à vida daqueles que não possuem uma carapaça metálica para se proteger.


Todos os dias vários Ricardos Neis saem às ruas, alguns se acham melhores que os pedestres e os ameaçam enquanto esses tentam atravessar a rua tranquilamente nas faixas de pedestres, enquanto outros se acham tão superiores após completarem suas metamorfoses em criaturas megalomaníacas que pensam que tem o direito de dirigir alcoolizado, afinal o que é uma vida ou duas em relação ao direito deles de tomar umas a mais e sair dirigindo.


No livro do Kafka, a metamorfose resulta na morte do Gregor, como final para o processo de definhamento da auto-estima do personagem. Em terras tupiniquins, nosso personagem completa a sua metamorfose se tornando uma criatura tão egocêntrica e desumana a ponto de passar por cima de algumas dezenas de ciclistas. A metamorfose na Terra Brasilis resulta na criação e multiplicação de assassinos no trânsito nutridos diariamente pelo egocentrismo e certeza de impunidade.

Massa Crítica

-Resultado da metamorfose!

8 comentários:

Daniela Ramalho disse...

Achei essa notícia mesmo muito estranha, até teve destaque em Portugal e tudo :S
Do Kafka apenas li o processo, nunca li a metamorfose, mas já ouvi dizer muito bem e muito mal.

Leonardo Xavier disse...

Eu já fiz o contrário, só li A Metamorfose e não li o Processo. Eu achei A Metamorfose um bom livro, mas eu acho que não entraria nos meus favoritos.

Ricardo Chicuta. disse...

E o mais interessante é que quanto mais cara a carapaça mais a pessoa se acha acima da lei.

Leonardo Xavier disse...

Chicuta, esse é um ponto interessante!

M.W. (@daconito) disse...

Kdê seu post em homenagem a suas leitoras fiéis hein? hauah

Leonardo Xavier disse...

Eu confesso ser um pessoa em geral pouco ligada a datas comemorativas e confesso que se não fosse alguns feeds (inclusive o Acónito) que assino não teria me lembrado nem que hoje era dia das mulheres. kkkk

Lais Castro disse...

Enquanto eu estava na frivolidade e alegria do carnaval de Olinda, ladeira acima, ladeira abaixo, aqui estava você refletindo criticamente sobre as situações kafkianas da nossa amada pátria... Grande artigo, Leonardo!
Eu li Processo (também vi o filme) e a Metamorfose!

Leonardo Xavier disse...

Ah Lais, nem só de reflexões vive um homem. Eu dei minha passada em Olinda no sábado e fui para o Recife Antigo praticamente todos os dias(infelizmente não deu para ir no dia do encerramento).

^^