domingo, 28 de novembro de 2010

About me!

Leonardo Xavier
- Algumas vezes eu sou um pouco ranzinza, só um pouco!


Eu não gosto muito de selos e nem de memes, mas como eu gostei da idéia do questionário e do desafio que a Mônica propôs. Aqui vão as minhas respostas!

1 – O que pretendo fazer antes de morrer?

Ficar muito velho, escrever um livro e ter um filho (super clichê, mas tudo bem!).

2 – Palavras ou expressões que mais falo:

“Lamentável”, “Lastimável”, “Sinceramente”, “Tá ligado?”, "Tranquilo" e “Sei lá”.

3 – Coisas que faço bem:

Comer, dormir e ler, mas eu confesso que a minha maior especialidade são os dois primeiros!

4 – Meus defeitos:

Eu sou ranzinza e resmungão, me falta carisma (eu acho que são pouquíssimas pessoas que gostam de mim “de cara”) e algumas vezes eu acho que exagero na sinceridade. Ah, eu também sou um pouco bagunceiro.

5 – Minhas qualidades:

Eu sou autocrítico e bastante curioso (não daqueles que gosta de cuidar da vida dos outros, mas para entender a realidade mesmo e garimpar novas idéias). E eu acho que em geral, procuro cuidar das pessoas que gosto.

6 – Coisas que eu amo:

Minha irmã (Natal tá chegando, é bom fazer média!), minha família em geral (apesar de ter dias que eu mandaria todos eles para câmara de gás, fácil, fácil). Eu acho que eu gosto muito de livros, sejam eles técnicos ou não.

7 – Blogs para participar do desafio:

Pátria Amada – porque eu sempre aprendo muito lá com a Lais e ela quase nunca fala de si mesma. E por que ela também é a dona de um dos blogs que tem as fotografias mais legais do Recife que é o Pedaços.

Catalepsia Produtiva – porque o Miro é um dos caras que eu gostaria conversar num boteco e por ser um cara pelo qual eu sinto uma certa fraternidade na rebeldia.

Camila Nascimento – porque eu gosto da sensibilidade nos textos dela e queria saber mais do que se passa pela cabeça da autora.

Retalhos de Psike – Porque apesar de conhecer a Sarinha, há muitos anos gostaria de ver uma versão dela por ela mesma.

Bocas Po Barulho – Porque eu gostaria de saber mais da garota da terra do Fernando Pessoa.

Eu acho que teriam outros blogs que eu gostaria de por aqui na lista, mas eu acho que dificilmente eles responderiam, pois andam reclusos ou estão meio inativos ultimamente.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Presos ao Passado

Bola Corrente Prisioneiro

Eu costumo dizer que os textos do blog são meus, mas eu acho que muito provavelmente eles pertencem aos meus botões. Pois, lá estava eu novamente num debate acirrado com os benditos botões e eis que eu chego à seguinte conclusão: é impressionante o quanto vivemos presos a certos momentos do passado.


Impressiona algumas vezes ver o como certas pessoas ainda arrastam consigo pendências, tal qual um prisioneiro fugitivo arrasta uma corrente amarrada ao tornozelo. E eu nem falo das cicatrizes, pois provavelmente todos têm as suas. Ali sempre presentes para nos recordar algumas lições aprendidas da forma mais difícil. Eu falo daquelas pessoas que parecem não conseguir se livrar de um determinado momento do passado. Seja ele bom ou ruim.


Então essas pessoas passam a viver uma vida mais pesada, arrastando aquele peso adiante consigo e alimentando uma dor ou uma glória que muitas vezes já nem existe mais. E parece que aquele peso atrapalha a pessoa de seguir adiante tal qual a corrente que mantém o prisioneiro na sua condição de cárcere. Assim, as pessoas parecem passar a ter medo de tentar algo novo com medo de que aquela dor do passado se repita novamente, como se deixar de viver por ainda se encontrar amarrado aquela dor, já não fosse revivê-la de forma contínua e perpétua.


Algumas vezes também acontece da pessoa estar presa um passado glorioso e parece querer reviver essa glória tantas vezes quanto seja possível. E nesse apego ao passado se esquece de seguir enfrente e conquistar novos motivos para serem felizes e novos feitos dos quais se orgulhar. Quantos escritores já não desperdiçaram a pena em tentativas de recriar uma segunda versão da sua obra prima, quando poderiam estar se reinventando e se aperfeiçoando? Quantos músicos já não afundaram em tentativas vãs de criar uma segunda versão para o seu grande hit, quando poderiam estar fazendo algo novo e sincero?


Enfim, por melhor ou pior que tenha sido algum momento do nosso passado, o verdadeiro caminho para viver plenamente consiste deixá-lo lá no instante pretérito ao qual ele pertence. Talvez só se livrando desse peso seja possível aproveitar o presente de maneira plena e seguir em frente.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Baratas!

Sinceramente, até alguns dias atrás eu nunca tinha encontrado um sentido para a existência das baratas e até concordava que elas são a prova da inexistência de Deus. No entanto, nos últimos dias eu passei a acreditar que talvez a barata tenha lá suas utilidades, pelo menos para nós portadores de cromossomos XY.

Sim, minha senhora! As baratas têm a sua utilidade! Elas servem para dignificar o homem ou pelos menos devolver certa glória perdida após a revolução feminista. A essa altura o estimado leitor deve estar pensando que diabos o Leonardo anda bebendo, mas calma que eu explico.


As baratas são a versão moderna dos dragões, em outras palavras: elas são a oportunidade de bancar o Cavaleiro de armadura reluzente nos centros urbanos. Basta surgir aquele monstro de seis pratas capaz de resistir a holocausto nucleares em um dos cômodos da casa para que possamos escutar a donzela em perigo gritando por socorro:


-Arrrrrrg! Uma barata! Socorro!


E lá vai o nosso herói moderno munido de chinelo na mão encarar a fera:


- Onde?


-Ali, por trás da cadeira, ai! Que Nojo! – diz a moça já subindo no que tiver pela frente.


Escutam-se todas aquelas sonoplastias típicas das versões toscas do Batman para TV. E tá lá o corpo estendido no chão! Nosso herói, todo orgulhoso perante a criatura malévola derrotada. E por fim a mocinha ainda reclama:


-Ai que nojo! Tira isso daqui!


E eu fico aqui pensando que matar os dragões era um jeito bem mais fácil de mostrar bravura, bastava matar o monstro, hoje ainda temos que limpar o que restou dele.



Baratas Cucarachas

Sim, elas são realmente perigosas!

domingo, 7 de novembro de 2010

Aprende!


Irmã se trocando para ir para o casamento, o Augustinho sentado lá no meu quarto conversando bobagem, enquanto esperava. Até que enfim o barulho do secador de cabelos cessa. Depois de alguns minutos ela entra no quarto já toda arrumada e manda a pergunta:

- Eu tou bonita?
- Sempre! - Eu respondo, afinal de contas tenho que garantir minha média, sabe como é natal chegando...
- Leo, você é tão fofo!
- Tá vendo Augustinho, aprende!