sábado, 30 de outubro de 2010

Ritos

Eu acho que como boa parte das pessoas eu tive uma educação religiosa, que em geral é aquela da família, e de certa forma minha família procurava praticar essa religiosidade de forma ativa. Fiz todos aqueles sacramentos e minha mãe costumava nos levar a missa no fim de semana e durante alguns períodos tenha até participado mais ativamente na igreja.


No entanto, eu sempre lembro do meu pai não ser muito afeito a missa, lembro-me do repúdio que ele tinha das carolas, que ele gentilmente apelidava de ”bem-te-vis de igreja”, e do modo como um desses padres superstar foi gentilmente apelidado de padre da batina cor de rosa pelo velho.


Os fatos mencionados anteriormente em conjunto com o fato de ser sempre difícil prever o que se passa na cabeça do velho, o temperamento dele varia do ranzinza a pilhéria alternadamente, nunca me permitiram enxergar o meu pai como um homem espiritualista.
Portanto, me causa certa estranheza quando vez ou outra ele pratica certos rituais como ajoelhar e rezar numa igreja vazia durante um passeio ou mesmo quando quando ele põe uma medalha milagrosa no carro da minha irmã para protegê-la. Assim como o modo que ele vai com as minhas tias deixar flores, rosas amarelas para ser mais preciso, no túmulo da minha avó no dia de finados, apesar de raramente falar nada ou contar histórias sobre os meus avôs.


E eu fico aqui me perguntando se todo homem não tem os seus rituais, se eu mesmo apesar da minha descrença não tenho os meus próprios? O hábito do café no meio da tarde, escrever para o blog no sábado ou mesmo ler um livro largado no sofá...

19 comentários:

Felipe "Miro" 'Dreads' disse...

Cara, que saudade desse blog. Puta distancia que fiquei da net e que honra ser o primeiro a comentar o post...

Acho que cada um possui lá seus rituais, não apenas religiosos, hábitos do cotidiano, manias de linguagem ou qualquer tipo de vício, é comum e é humano...

O problema é quando algumas pessoas querem criar um grupo que pensa que possui lá os mesmos rituais (o que nunca acontece). Criam padrões e regras e começa a putaria. Afinal é tudo muito pessoal e sempre haverá divergências.

Caminhante disse...

Achei o texto tão simples e tão bonito. Imagino que teu pai seja um homem muito interessante e confesso que gosto mais da religiosidade dele do que das "bem-te-vis".

Daniela Ramalho disse...

Eu por acaso nunca tive de passar pela educação religiosa, porque os meus pais sempre quiseram que fosse eu ao crescer a decidir se queria ou não ser religiosa.
Quanto aos hábitos, é verdade :) cada pessoas tem os seus e alguns são mesmos estranhos.

Belos e Malvados disse...

Esse texto me lembrou o dia em que descobri que meu pai tinha sentimentos. Cheguei da escola, soube que um amigo nosso tinha morrido e vi o velho chorar pela primeira vez.

Paty disse...

Foi engraçado descobrir a medalhinha posta sorrateiramente, meio escondida atrás do retrovisor. É... os brutos também amam.

Leonardo Xavier disse...

Miro, eu que tava sentindo falta da rebeldia lá do Catalepsia Produtiva.

Caminhante, eu diria que meu pai é no mínimo uma figura exótica.

Poxa Anne, esse teu comentário me lembra de quando minha avó paterna morreu. Foi realmente marcante ver a voz do meu pai falhar do outro lado do telefone e escutar ele chorando. Eu acho que é única vez que eu vi meu pai chorar.

Paty, todo ranzinza tem um bom coração, kkkk!

M.W. (@daconito) disse...

Vc tocou em dois pontos que não gosto nem de lembrar, meu pai e minha educação religiosa. Sou traumatizada.

Quanto aos outros rituais eu tbm tenhos os meus.
Acordo super cedo só pra não começar o dia correndo.

Tomo um banhoo, tomo café, fico fazendo hora na cama... Todo mundo pira quando falo a hora q acordo pra ir trabalhar X a distância da minha casa pro trabalho(q é pequena)

=***

Leonardo Xavier disse...

Monica, confessa essa demora toda é parte do ritual de embelezamento feminino, kkkk!

- sáminina. disse...

sem dúvida! toda pessoa têm lá seus rituais, sejam eles religiosos ou não. eu costumo comprar roupas no fim do mês, hahahaha!
A proposito, nao conheço a musica do Lobao, mas vou baixar e ouvir! beijos

Julie Way disse...

Alguém aí disse algo sobre ser um texto bonito, e sou obrigada a concordar. Gosto da maneira que você dispõe as palavras, e andei um pouco distante da blogosfera por um tempo, mas prometo pintar mais por aqui (e outros lugares aos quais estou devendo visitar, também), agora.

Sim, acho que todos têm seus rituais, sejam religiosos ou não, e certamente, uns mais do que os outros. Só que é bem mais comum que os chamemos de "manias".

Grande beijo

Lais Castro disse...

Bonito texto, Leonardo! Com certeza vc tem seus próprios ritos, sim, todos temos, penso eu! Abraço.

Paula disse...

Adorei!

Julie Way disse...

Sim, a ideia é sempre boa ^^

Você disse q quase não reconheceu meu blog... Isso é bom ou ruim? O pessoal tava reclamando do layout, q as cores eram um pouco cansativas e tals... Me dá sua opinião sincera ae! =]

Cℓαudïαnє disse...

Muito bom cara,os pais.. ah esses tais de "pais" eu não me canso de lembrar nunca.. e sobre as crenças,ando um pouco distante delas...

Obrigada pela visita sempreee!

Rachel Chagas disse...

Sinceramente, achei meio engraçada essa sua postagem, me faz pensar no quanto nós seres humanos somos estranhos.

Hoje aliás, viajando nesse vasto mundo que é a internet, vi um vídeo chocante. Numa tribo indígena, enterravam crianças vivas, caso elas tivessem algum tipo de deficiência, fossem gemeas, não fossem do sexo pretendido, se a mãe tivesse amamentando ainda... nossa fiquei apavorada mesmo! Ainda nem sei por que assisti a isso.

Como diz a "Morte" no livro "A menina que roubava livros":

- Os humanos me assombram...

... ou algo do tipo.

Bom passar por aqui novamente!

Leonardo Xavier disse...

Rachel, realmente o ser humano algumas vezes é surpreendente. Algumas vezes para o bem, noutras para o mal.

ps: Eu gosto de "A menina que roubava livros", é bem legal. Apesar de eu ter gostado mais do "Eu sou o Mensageiro" do mesmo Markus Zusak.

Anselmo disse...

Eu sou ateu, graças a Deus =D

Luiz Mussio disse...

é brother...temos nossos rituais, e é bom acreditar em alguma coisa, claro que sem exageros e fanátismos. Faz tempo que não visitava essa area de blogs, tenho muita coisa pra ler, hehe

abraço!

Leonardo Xavier disse...

Mussio, realmente tem muito tempo que você não dá uma passada por aqui. E a banda de blues? Continua firme?

um abraço