sábado, 28 de agosto de 2010

Manifesto Anti-Gourmet

Sim, meus caros leitores, criaram o brigadeiro gourmet, ou como diria o José Simão: “Buemba, buemba! Tucanaram o brigadeiro!”. Isso mesmo, colocaram uma etiqueta de grife, uma caixinha bonita e adicionaram uma porção generosa de cara pau e tcharam: oito brigadeiros por R$30,00 ( dá pra tomar um porre épico de brigadeiro na padaria do Seu Manuel ) numa caixinha de alívio-TPM. Esse último detalhe, ainda viola a primeira regra do clube da luta para lidar com mulheres com TPM que é nunca falar, mencionar ou sequer pensar em TPM perto de uma mulher com TPM – e se por acaso ela confessar que está com TPM, diga que ela está tão bem humorada que praticamente não deu pra perceber.

Brigadeiro Gourmet
- O Joãozinho comprou um desses para namorada com TPM... sabe que depois disso eu não ouvi mais falar do Joãozinho... ( imagem e inspiração roubados da Cafeína)

Sim, elitizaram o docinho mais popular e mais comum nas festinhas brasileiras e parece que não é só o brigadeiro. Parece ter virado moda transformar os brebotes, que nossas mães viviam nos proibindo de comer antes das refeições, em alta gastronomia adicionando um “gourmet” ao nome dos aperitivos. A técnica consiste em diminuir o tamanho das porções, outrora fartas e genrosas nos botequins da vida, adicionar uns fricotes, deixar o ex-brebote mais light e, pronto, agora temos o mais novo representante da alta cozinha.

Fora o gourmet e um viva às porções generosas. Fora com os canapés e viva aos bolinhos de bacalhau, fora com os carpaccios e um viva à buchadinha de bode, fora com aquelas folhinhas sem graça e um viva à dobradinha. Fora o gourmet e viva ao gourmand! Por uma vida mais simples e farta!

Homer Simpson
-Droga! Alta Cozinha não!

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Ameaçados de Extinção

Livros Antigos
- Sim meus amigos, eles estão ameaçados de extinção!


Eu nunca fui uma daquelas pessoas nostálgicas, que sente saudades da infância ou da adolescência, tampouco quis nascer nos anos 60 para ser um Mod ou 70 para ser um hippie. Eu confesso também que nunca entendi os colecionadores de vinil, não aqueles que mantêm um acervo com músicas que não saíram em outros formatos, mas os que continuam a comprar a versão em vinil de obras encontradas em formatos mais modernos como CD’s ou DVD’s.

Na verdade, eu acho que eu não entendia até a modernidade começar a por em risco uma das coisas que me acompanharam por toda vida: os livros. Sim, meus caros amigos, quem sabe o livro impresso, esse velho companheiro de aventuras e velho mestre que nos educou, esteja com os dias contados. Primeiro a ameaça pelo Kindle da Amazon, depois pelo iPhone de Itu que não faz ligações e finalmente a ameaça chega ao mercado tupiniquim com o Positivo Alfa. Será que os nossos companheiros de celulose estão com os dias contados?

e-reader positivo alfa
- O predador!

Talvez minha fascinação por aqueles calhamaços de papel surgiu ainda durante a minha fase analfabetismo, eu lembro que os mais pais costumavam ler para mim e para minha na hora que nos colocavam para dormir. Para os leitores nascidos muito depois de 1984, cabe a explicação de que os pais costumavam ler ou contar estórias infantis antes das fitas magnéticas ou discos óticos serem utilizados para tal fim. Data desta fase de infante analfabeto o período que os livros mais exerceram fascínio sobre o meu ser, eu não via a hora de conseguir aprender a decifrar aqueles códigos e poder ler todas as histórias do mundo, pois por mais dedicados que os meus pais fossem eles nunca contavam tantas histórias quanto eu gostaria. Sinceramente eu não os culpo, afinal de contas a curiosidade infantil de compreender o mundo através dessas estórias é muito maior que a paciência e disposição de qualquer pai ou mãe que também se ocupam de ganhar a vida e o sustento da casa.

Enfim apesar de saber que existem muitos convenientes que fazem o uso dos e-readers muito mais convenientes do que o livro de papel, como a facilidade de armazenagem, transporte, agilidade na entrega do conteúdo e sinceramente apesar de algumas vezes me sentir tentado a comprar um Kindle, eu não consigo me imaginar num mundo onde os livros de papel foram extintos. A idéia de não mais procurar mais os livros pelo título enquanto deslizo os dedos sobre suas lombadas, a sensação de tatear as folhas ao virar as páginas e principalmente não sentir mais aquele cheiro de tinta e papel misturados, tudo isso já me faz sentir aquela nostalgia das coisas que ainda não se foram, mas que se encontram com os dia contados. Será que os livros são a próxima espécie ameaçada de extinção?

Eu só sei que já eu consigo me imaginar idoso e colecionando os livros nos seus formatos arcaicos e ultrapassados feitos de celulose.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Eleições: Como convencer as pessoas a votarem em você ? (parte II)

Eleições Urna Eletrônica


No post anterior, eu já havia feito um breve tutorial buscando contribuir para o estado da arte das propagandas eleitorais e apesar dos santinhos gigantes ajudarem a poluir visualmente a cidade fixar a sua imagem na mente do eleitor, essa técnica pode não ser o suficiente para que eleitor lembre de você e digite o seu número na urna. Afinal de contas, o santo é só o executor do milagre, mas este faz parte de um plano superior de Deus.

E como saber dos desígnios divinos? Ora simples é só perguntar ao povo! A voz do povo é voz de Deus! E o que o povo mais quer e mais gosta? Logicamente que músicas de mau gosto e mulheres seminuas. Juntando esse conhecimento com a necessidade crescente comunicação com conteúdo com o eleitorado através nada melhor que usar mídias sociais e bolar um viral que agrega tudo isso? Idéia brilhante do Jefferson Camilo, vejam só que espetáculo:


- Esse com certeza já está eleito! Quanto Conteúdo!

No próximo capítulo você aprenderá a importunar o seu eleitor utilizando telemarketing na sua campanha.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Cansaço, blog e o náufrago

Wilson Náufrago Wilson

- Wilson!


Os últimos dias têm sido bastante cansativos mentalmente e a inspiração para manter os textos fluindo no blog parece ter escoado pelo ralo. Diante disso, eu fico pensando e cresce ainda mais o meu respeito por aqueles que fazem da palavra escrita seu ofício, principalmente daqueles sujeitos que possuem a capacidade de escrever colunas diárias.

Algumas vezes manter minhas duas atualizações por semana, que foi um compromisso que fiz comigo de parar e dedicar um pouco de tempo por semana para mim mesmo nessa confusão que é vida urbana.

O blog têm sido isso, uma rotina de disciplina e exercício mental, um tempo que eu espremo na rotina para escrever os pequenos textos ou mensagens que lanço nesse mar digital, tal qual um náufrago lança suas mensagens em garrafas ao oceano. E como esse personagem eu publico meus textos, sem ter a certeza de que alguém realmente vá ler um dia, mas com a esperança de que o façam.

domingo, 8 de agosto de 2010

Eleições: Como convencer as pessoas a votarem em você?

Convencer as pessoas a votarem em um determinado candidato é muito fácil, tudo que você vai precisar é de um tipo específico de artefato, em número suficiente para poluir visualmente os canteiros centrais das principais avenidas da sua cidade. Como assim artefato? Que tipo de artefato? Este:

Eleições

- Eu admito o desenho ficou tosco!

Sim, meu amigo! Entupa as ruas com esses “santinhos” tamanho família e pronto: eleição garantida! Não é necessário colocar promessas, plataformas eleitorais, proposta e nada disso. Só uma foto bem grande, não se esqueça de caprichar no sorriso e na beca, com o seu nome e número. Se for possível arrume umas figuras de renome que apoeiem a sua campanha e faça uma montagem com sua foto no meio, se não der para conseguir esses figurões não se estresse. Afinal, o importante mesmo é espalhar essas porcarias pela cidade toda!

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Ônibus

Onibus bus

Talvez já tenha até virado um hábito vir aqui no blog descrever as típicas figuras que parecem surgir para incomodar as minhas viagens de ônibus. No entanto, por mais problemas que eu tenha com essas figuras, as minhas idas e vindas para faculdade no transporte coletivo acabaram se tornando uma parte interessante da minha rotina.

Eu acredito que, por ter passado a utilizar o transporte público num horário de menor demanda, andar de ônibus se tornou menos penoso para mim e se transformou até num certo modo de para e refletir a respeito da vida ou mesmo ler um livro. Eu acho interessante sentar numa cadeira à janela e ir observando a rotina das pessoas nas ruas andando para lá e para cá, de observar como as pessoas dentro dos seus carros a escutar música ou a conversar. Interessante para e observar como pessoas totalmente desconhecidas que não passariam de meros figurantes na história da nossa vida, estão lá desenvolvendo seus papéis como protagonistas da própria vida.

Por mais que haja tipos chatos, também há os tipos engraçados como o vendedor ambulantes com o seu modo peculiar de vender as mais diversas traquitanas que vão desde balinhas de hortelã até agulhas de costura e há sempre bordões inovadores para vender as bugigangas. Sem contar a grande quantidade de vezes que aparecem os clássicos artistas de rua a desenvolver suas performances e em especial, os já ameaçados de extinção, repentistas. Também é comum aquela figura dos velhinhos conversadores, capazes de contar toda uma história de vida em uma única viagem, haja poder de síntese para conseguir tal feito.

Eu acho que em verdade eu acabei dando o meu jeito de reciclar aquelas horas presos dentro da carcaça de metal em algo produtivo um momento de reflexão, leitura e ,em alguns casos, até de escrita. Quantos já não foram os posts que vieram parar aqui, depois de terem sido rascunhados nos caminhos, sentado lá no assento do ônibus. E eu fico pensando se o transporte público tivesse mais qualidade, todas as pessoas poderiam usar essas viagens para suas próprias reflexões.