domingo, 11 de julho de 2010

Propagandas e A Arte de Enganar a Si Mesmo

Propaganda The Who Sell Out

-Eu ainda acho que o Who é melhor do que os Beatles!

Semana passada eu li um texto do Hugo Brisolla no Ingenuidade, onde se falava justamente da questão das propagandas. Onde ele fala não gostar das propagandas por achar que muitas vezes falta sinceridade nas propagandas. Eu até concordo que tem certas propagandas que realmente são de um cinismo sem limites como, por exemplo, o comercial de uma lã de aço que se diz ecologicamente correta porque ela enferruja e vira pó, como se não houvesse impactos decorrentes da extração do minério de ferro e da própria produção de aço utilizado no produto.

Enfim, eu já tenho uma opinião um pouco contrário ao texto apresentado e acho alguns anúncios tão divertidos e bem bolados que algumas vezes surge até a vontade de assisti-los novamente. Ao contrário do que o Hugo defendeu, eu acho que os comerciais são extremamente sinceros e algumas vezes eles apelam diretamente a certas características do comportamento humano. Eu acho que os comerciais de desodorante masculino são, em minha humilde opinião, um ótimo exemplo disso.

Em teoria o desodorante deveria ser um anti-séptico, que evitasse que microrganismos degradassem o suor causando odor desagradável, no popular: a suvaqueira. Entretanto, venhamos e convenhamos que ninguém quer comprar um desodorantes que simplesmente evite suvaqueira, as pessoas desejam um produto que as deixe com um cheiro agradável e qual o jeito de demonstrar que perfume escolhido para o produto é bom? Mostrar que o perfume dele é tão bom que é capaz de atrair as moças! E isso está lá quando assistimos comerciais desse tipo de produto a coisa mais comum é ver o protagonista passando desodorante e chovendo mulher em cima dele. Todos nós sabemos que isso nunca acontece, eu mesmo já testei várias fragrâncias de diversas marcas e continuo sem ter a quem chamar de meu bem.

Você pode se perguntar: o que isso tem a ver com o comportamento humano? Eu acho que isso está ligado diretamente a algo bem comum no comportamento humano, que eu denomino de a arte de enganar a si mesmo. E o publicitário que bolou aquele comercial lá do desodorante só está se aproveitando da nossa vontade de utilizar esta arte. Eu acho que no fundo é um comportamento um pouco parecido com aquele da garota que está ficando com um cafajeste e insiste em se iludir de que o camarada vai mudar ou como aquela pessoa que fica se iludindo achando que a outra vai voltar após o fim de um relacionamento.

E creio que é justamente nesse ponto que a certas campanhas de marketing são tão geniais, elas dizem aquilo que nós queremos escutar e quantas vezes não desejamos um pouco de ilusão, ainda que efêmera.

6 comentários:

S. disse...

O negócio é que os cafajestes usam de propaganda enganosa, moço!
Beijinhos

Mônica Wesley disse...

- Ele atribuiu a publicidade a responsabilidade pela infelicidade. Pq ela faz a gente pensar que não é feliz pq não tem algo. Te faz comprar o q vc não quer, não precisa, mas utiliza de psicologia para te envolver, te dando a falsa sensação de que comprando aquele objeto vc será feliz.-[http://monicawesley.blogspot.com/2010/03/felicidade.html]

Disse isso num post em março, me baseando em Epicuro, e continuo sendo contra a propaganda e seus profissionais formados e treinados para nos iludir como se nossa felicidade ou a solução de todos nossos problemas estivesem dentro de tal produto.

Ricardo Chicuta. disse...

O caso é o seguinte,as propagandas tem como objetivo principal vender os produtos e não contar a verdade.Simples assim.

Leandro Luz disse...

Concordo com você!
Acho esse papo de criticar a propaganda mó furada! Os publicitários apenas sabem atingir as próprias "fraquezas" humanas.

Hugo disse...

Pra mim, o único problema é que isso me irrita. Quando vejo uma propaganda de banco, de carro ou de desodorante que tenta colocar um estilo de vida junto do produto, isso me incomoda.

Não acho que a propaganda esteja errada, não acho que os caras tem que mudar, mas, se o objetivo era agradar A MIM, eles falham. Talvez funcione com as outras pessoas, né.

Cafeina disse...

em geral admiro muito a publicidade... só ainda não consigo digerir propagandas que usam estereótipos que chegam a ofender.