quarta-feira, 23 de junho de 2010

Ônibus, Agenda e Psicografia

Se Mônica Wesley tinha o seu Diário de Cubículo, agora transformado em Acónito. Eu penso que talvez esse blog devesse ter alguma referência aos ônibus, pois muitas vezes os textos são escritos, ou pelo menos os rascunhos deles, são escritos nos ônibus. Outra peculiaridade é que eu não uso cadernos para escrever os rascunhos, eu arrumei uma utilidade para as agendas que eu ganho e escrevo a maior parte desses rascunhos nelas, o que por sinal foi o melhor uso que eu já consegui dar para uma agenda. Todas as minhas tentativas anteriores de marcar compromissos, que é como uma pessoa civilizada deveria utilizar uma agenda, acabam durando menos do que 2 meses.

Enfim, começando a história que eu me propus a dividir hoje, lá estava eu na volta da universidade para casa o ônibus estava vazio e as idéias para um texto, que eu pretendia estar escrevendo no lugar deste, estavam borbulhando na minha cabeça. Como o banco do meu lado estava vazio, eu só consigo escrever se esse pré-requisito for atendido (tem cara que pede 6.022x1023 toalhas brancas para cantar por que eu não posso pedir um lugar ao lado desocupado no ônibus para escrever?). E sabe quando você começa a escrever rápido e agoniado para não perder as idéias? Pois bem, estava a escrever deste modo, com a cabeça baixa. Quando eu dou uma pausa e olho para o lado tem uma moça na outra fileira de assentos olhando para mim com uma cara estranha.

Eu como não estava, fazendo nada demais voltei para a agenda e continuei a escrever,entretando confesso que fiquei pensando por que a moça tinha olhado com estranheza para um cara rabiscando um caderno. E só consigo achar uma explicação: ela estava pensando que eu estava a psicografar cartas do além...

11 comentários:

Mônica Wesley disse...

hauhuahuah Olha eu aiiii... o/
Busão vazio nos faz refletir, eu não costumo escrever(acho q nem sei escrever mais), mas já tive idéias para varios posts dentro do busão. Quando vazio, fico filosofando, quando lotado, fico analisando as pessoas.

Tô em BH já.... Tô de volta... Tenho que começar a falar do novo cubículo né. =***

S. disse...

Ah, os ônibus... tão indie, tão sub, tão...tão... nem sei o que dizer, lágrimas quase me saltam aos olhos. Imagino que tb n seja um mal lugar para receber espritos. Ora Chico Xavier n viu Emannuel (seu esprito particular) num avião que quase caía ( me contaram o filme). Nós, proleta que somos, os encontramos mesmo é nos coletivos da vida, né mermo?
E dodói tb.
Beijinhos fofos.

Camila disse...

Será? Vai ver que ela não costuma ver pessoas escrevendo. Ou teve pena de tu que tava escrevendo no saculejo do busão! huahauhauhaua

Pequeno Grande Mundo disse...

Ou ela daria a unha do dedo midinho p ler o q aquele cara n poderia esperar p escrever fora do bus...

Felipe "Miro" 'Dreads' disse...

Pelo seu sobrenome é de se esperar que qualquer dia você psicografe algo...

Daniela Ramalho disse...

:) ás vezes escrevo na viagens de comboio as coisas estranhas que algumas pessoas vão dizendo. Mas prefiro sempre rascunhar alguma coisa quando chego a casa.

Leonardo Xavier disse...

Miro, realmente essa foi ótima! kkkk!

Rachel Chagas disse...

Carambaaa, quantos textos eu perdi (na verdade já li pelo menos uns quatro ou cinco)!
Adorei o das cartas de amor, me peguei rindo de mim mesma me lembrando de quantas eu já escrevi, e sabe lá Deus se, aqueles que as receberam ainda as têm e suas posses. E será que ainda leem e pensam o quanto sou ridícula por isso?!
Mas sabe? Nem que pensem isso me importo, por que posso ter sido ridícula sim, mas como voce mesmo citou, ali estam soltas todas as verdades que sentia naquele momento. Nada do que eu queria ter dito está preso em mim e, como sempre digo, mais fácil me arrepender das coisas que eu não faço, por que viver sem saber como poderia ter sido caso eu fizesse diferente me incomoda muito mais do que chegar e fazer.

Mas enfim, quanto a esse texto aqui, eu acho que é tão dificil vermos pessoas lendo ou escrevendo hoje em dia que, o mínimo que a moça deve ter pensado poderia ter sido: "Mas gente, o que é que aquele sujeito tanto escreve assim deseperado? Deve ser uma pessoa atarefada e culta mesmo, pra não poder esperar descer do onibus e chegar num lugar decente."

Vai que ela pensou isso, hein?! Tirou ooonda!!

\o//

To "de volta"!!!

Belos e Malvados disse...

Você deveria ter dito que estava recebendo um espírito prá ver se ela saia correndo. Já imaginou a cena?

Leonardo Xavier disse...

Anne eu já tive vontade de fingir que estava possuído para assustar/irritar aqueles crentes que ficam pregando no ônibus, mas confesso que não me veio essa idéia na hora.

Lila disse...

hahahaha! Este foi o melhor post!!! Já aconteceu de eu estar lendo no ônibus e deveria estar fazendo caras e bocas, pois o passageiro do lado perguntou se estava tudo bem... a menina deve ter pensado o mesmo. Tadinha.