quinta-feira, 13 de maio de 2010

Reflexões ao pôr-do-sol

por do sol

Talvez se exista uma verdade absoluta, quem sabe seja que somos todos sós? Pode ser que em algumas fases da nossa vida essa sensação de solidão suma devido a outras sensações que se sobrepõe a ela. No entanto, a verdade, é que somos solitários e por mais afinidade que tenhamos com outrem, este nunca nos entende por completo. E talvez fosse exigir demais que alguém pudesse compreender todos os motivos e razões que te fazem ser aquilo que és, se esse alguém simplesmente não estava lá.

Deste fato talvez venha a nossa solidão, nossas impressões e experiências pertencem somente a nós mesmos, e por mais que tenhamos compartilhado algumas vivências com certas pessoas, sem dúvida alguma essas pessoas vivenciaram a mesma experiência por uma ótica diferente. Por mais que tentemos compartilhá-las nossas vivências são sempre única e exclusivamente nossas.

Por mais que eu tente descrever o pôr-do-sol mais bonito da minha vida, você nunca o verá e por mais que suponhamos que as máquinas fotográficas ou filmadoras conseguissem copiar com exatidão todas aquelas cores e todas as nuances daquelas mudanças de coloração decorrentes desse pôr-do-sol, estes equipamentos talvez jamais fossem capazes de registrar a sensação do vento a bater na minha pele naquele instante, o cheiro que eu sentia naquele momento e, principalmente, nunca conseguiria registrar e transmitir o prazer que senti ao observar aquele crepúsculo. Por esse motivo, há sempre algo nesses fins de tarde que são só teus e de mais ninguém e o mesmo ocorre em todo e qualquer vivência que tenhamos.

Talvez por isso sejamos todos sós, ninguém é capaz de captar nossos sentimentos, pensamentos, angústias e aflições, todo o mar de sensações internas que se passam no nosso espírito e que ainda que assim desejássemos, talvez não nos fosse possível transmitir a outrem esta profusão de sensações associadas às menores experiências do nosso cotidiano.

4 comentários:

Mônica Wesley disse...

"O grande trunfo é saber conviver consigo mesmo. Cada criatura viva na terra morre sozinha."
Bela teoria sobre a solidão. O grande erro é a maioria de nós ligarmos a solidão a tristeza. As vezes é preciso ser só, faz bem saber ser só.
=***

Como sempre descrição perfeita dos lugares e sentimentos!!! As pessoas podem não sentir a mesma coisa que vc, mas vc pelo menos tem o dom de passar para elas através de palavras exatament vc sente.

Belos e Malvados disse...

Sabe que sempre pensei muito nisso também? Por mais que existam pessoas legais do seu lado, todas as coisas importantes de sua vida você decide só e enfrenta só. Suas percepções são só suas. Talvez por isso seja tão importante prá gente compartilhá-las. É um jeito de pedir prá ser entendido.

Raquel disse...

vc notou! é q as coisas andam mudando tão rápido e perdendo o sentido tbm. quando olho de novo já não concebo aquilo como meu, isso de 10 em 10 minutos. daí eu apago. mas eu fiquei feliz com seu elogio ao texto. vlw.

Lais Castro disse...

Bela reflexão Leonardo!Eu penso precido com você, só não sei escrever um texto assim bonito como o seu, que me fez lembrar Fernando Pessoa, sobretudo pela solidão inerente a cada um de nós, seres humanos.

Ah! Concordo com você, a Capela Dourada é belíssima e faz muito tempo que não a visito... Andei fazendo umas fotos por lá, mas somente da arquitetura exterior. Se bem me lembro, não é permitido fazer fotos do interior.
Voltemos a visitar a Capela Dourada!

Abraço e bom fim de semana.