quinta-feira, 6 de maio de 2010

O Décimo Primeiro Mandamento

Cruz Igreja

Apesar de não ter fé em nenhum Deus, eu sempre acreditei que cada indivíduo deveria ter plena liberdade para exercer sua religião, conforme prevê a constituição. No entanto, certas pessoas e suas atitudes me fazer querer mudar de opinião. Eu acho que um destes episódios me ocorreu hoje no ônibus de volta para casa.

Há um hábito irritante das pessoas religiosas é o costume de algumas vezes querer pregar dentro do transporte público. Em minha opinião, é extremamente desagradável uma pessoa aos berros dentro do transporte coletivo tentando impor no grito as suas convicções pessoais. Eu diria até que esta é uma atitude de certa forma até má índole, tendo em vista que por se tratar de um transporte coletivo, as pessoas não podem evitar tal tipo de pregação até que cheguem ao seu destino, ou até que o bom senso contemple o nosso caro pregador. Em outras palavras o direito que eu supostamente teria de não compactuar com a visão religiosa do sujeito é totalmente cerceado, sem contar que as pessoas o teriam direito de ir tranquilamente nos seus assentos sem ter que ouvir toda a sorte de baboseira e se concentrar em suas leituras ou diálogos com um amigo com quem esteja a dividir o assento, sem ser incomodados.

No entanto, hoje foi bem pior. Eu estava sentado lá quietinho lendo um livro tranquilamente até que duas moças sentaram justamente atrás do meu assento. E eis que a minha leitura é interrompida por um belo ensaio de cânticos religiosos, sabe aquelas músicas religiosas que possuem que possuem tantos “oooooh”, “aaaaah” e “uuuuuh” quanto música de axé baiano. Definitivamente eu ainda cheguei a virar e olhar para as duas figuras umas três vezes para ver se elas se tocavam, mas eu acho que provavelmente na igreja delas não deviam dar aula de bom senso ou bons modos.

Nessas horas, que eu sinto falta de certo cinismo na minha pessoa para me passar por possuído pelo demônio ou mesmo para soltar uns dois ou três impropérios. Eu acho que eles deveriam ter criado um décimo primeiro mandamento: Não importunarás ao próximo!

13 comentários:

Camila disse...

O pior é que as pessoas são instruidas a isso. Muitos pastores, principalmente de igrejas evangélicas, estimulam os fiés a pregar nos ônibus justamente porque as pessoas não podem sair. Os pastores os alertam para as pessoas que vão olhar para eles com cara de raiva, mas que é para eles não ligarem porque são pessoas sem Jesus no coração.
Essas pessoas são estimuladas a acreditar que só a sua igreja salva e que devem salvar todo mundo, ou pelo menos os que estão no ônibus. Essa foi a maneira delas dizerem que são evangélicas, são felizes e quem sabe pegar algum fiel a mais para ser um seguidor de Jesus. É o marketing eclesiástico!
Só não sei se essa tática funciona!

Mônica Wesley disse...

Perfeito esse mandamento: "Não importunarás ao próximo!" Isso já aconteceu N vezes comigo. Na próxima vez q um cara se levantar pra dar sermão no busão eu vou perguntar pra ele... Se seu deus é tão bom assim, pq estamos aqui nesse busão lotado e aquele cara tá ali naquele carrão com ar condicionado. Q deus é esse? Q justiça é essa? Jesus te ama o caralho, se me amasse eu estaria num carrão com ar condicionado e não massacrada dentro dessa lata de sardinha. #prontofalei =P
Revolta mode on.

Belos e Malvados disse...

Na rua onde moro tem uma dessas igrejas, eles fazem um barulho tão descomunal que, durante os cultos, a gente não consegue fazer nada. Nem ouvir os pensamentos. É uma total falta de respeito com quem não partilha da mesma fé. Entendo você e concordo com tudo que foi escrito aqui.

Rafaela disse...

É um saco. Concordo que a pessoa tem direito a não precisar aguentar essas coisas! Eles acham que o volume da voz e a insistência irão nos convencer.

Daniela Ramalho disse...

Engraçado... de facto, tenho um bocado a ideia de que os brasileiros são muito fanáticos com a religião. Nunca me aconteceu esse tipo de episódios em transportes públicos, mas acho que ia apenas ou aumentar o volume dos headphones ou então rir-me a viagem inteira!

Leonardo Xavier disse...

Belos e Malvados,realmente eu já passei por certas igrejas que realmente chegam a incomodar. Eu acho que tinha uma praça perto da rua do meu avô que tinha umas 3 igrejas, cada uma mais barulhenta que a outra. Eu ficava imaginando como que devia ser para as pessoas que moravam naquela vizinhança.

Daniela, eu te diria que foi uma experiência desagradável. Por que eu esta a ler e, sinceramente, não havia como se concentrar com aquele dueto a berrar os cânticos ao meu ouvido. Eu realmente gostaria de ter feito um curso de teatro e ter me passado por uma pessoa possuída pelo demônio só para por as duas cantoras a correr. E, ainda mais sinceramente, adoro quando estudantes secundaristas gritam impropérios contra esses pregadores.

Luciana disse...

Olá, Leonardo!

Vim agradecer sua visita lá no Ortografando e aproveitei para conhecer seu blog, que, por sinal, é muito bacana.
Quanto ao seu post, concordo quando você diz que esse tipo de situação é irritante. Ninguém é obrigado a ouvir sobre a opção religiosa de ninguém, principalmente num país onde há tantas religiões diferentes. Agora, cantar dentro do ônibus (independente do tipo de música), ouvir rádio dentro do ônibus (sem fones) e conversar alto (no celular ou com alguém) dentro do ônibus são coisas extremamente desagradáveis. Andar de ônibus já não é uma coisa das mais prazerosas, e ainda por cima em uma dessas situações... É demais mesmo.

Mas é isso aí. Temos que conviver com certas coisas, não tem jeito.

Até mais!

Leni disse...

Querido,
Não é à toa que o nome do seu blog é este. HEHE sempre discordando dos meus post's. Mas neste devo darte um bom crédito.
Não é valido deixar de viver sua vida pra viver a de outra. De jeito algum, isto não é viver!
Tem que haver entrega, amor, e tudo mais, mas tudo na medida em que a dignidade e o amor próprio são preservados!
E com certeza, pode-se ser muito feliz tendo o mundo, que é a família e amigos :)
boa noite querido
beijos

Rachel Chagas disse...

Acretida que eu tinha escrito um "texto" e consegui apagar?
Affs...
Mas enfim, pelo que me recordo, eu dizia que concordo plenamente com o que você escreveu aqui, e não acho que só por que você grita o nome DELE, canta berrando canções a ELE, que você é melhor ou, pior que quem não o faz.
Se você acredita ou não NELE, não é o que importa, mas sim, como você age.
Acho que é isso que importa.

PS: obrigada por ficar feliz por eu estar bem!

Beijão

Raquel Castro disse...

Oi, Leandro!

Como eu adoro o seu jeito de discordar do mundo, eu deixei um selo para você lá no meu blog (Pensamentos em Palavras), não deixe de pegar!

beijão!

- sáminina. disse...

É um absurdo mesmo. As igrejas dizem que os seus fiéis devem pregar a palavra de Deus e tal, mas isso deveria valer pra quem quer ouvir a palavra né?

Leonardo Xavier disse...

Raiza, tens toda a razão. Parece que ou você aceita a palavras dele ou você esta condenado ao inferno na terra na forma de sermões intermináveis da palavra que você se recusou a aceitar.

Elaine Gaissler disse...

Olá, li alguns de seus posts e ri mto, concordo plenamente com o fato de que nos é tirado o direito de não querer ouvir os berros dos pregadores nos ônibus, já vivi situações semelhantes. Mas o que fazer?! Esse povo parece que perde o bom senso...