quinta-feira, 27 de maio de 2010

Aeroportos

Aeroporto do Recife


Ontem, eu fui buscar a minha mãe no aeroporto e para variar eu sempre chego um pouco antes do horário com medo de chegar em cima da hora por causa de engarrafamentos. Enfim a minha espera de mais ou menos uma hora até que vôo da minha mãe chegasse e a espera me fez observar que os aeroportos são lugares frios e inóspitos, conclusões tiradas das minhas desventuras de viagens e vigílias feitas nesse local.

Começando pela iluminação, eu não sei se é impressão minha, mas todos os aeroportos que eu conheço possuem aquela iluminação, estilo iluminação de Shopping que dá a impressão que a gente está sob aquela iluminação de fim de tarde, não importa de que horas sejam e nem tampouco se o aeroporto se utiliza de iluminação natural. Eu acho que isso deve ser para a gente não perceber o quanto tempo a gente está ali esperando quando os vôos atrasam.

Sem contar que todo saguão de aeroporto tem aquela cara de sala de espera de hospital, aquela, você vê granito para tudo quanto é lado e aquelas cadeirinhas feitas de plástico e metal, geralmente pintadas de cinza. E por mais enfeitado que seja o salão você sempre tem aquela sensação inóspita de estar esperando numa emergência de hospital. Quando os vôos atrasam, você pensa que é hospital do SUS pela demora da vigília.

O pior de quando os vôos atrasam e você está morrendo de sono por que os vôos que atrasam parecem coincidir com os dias que você está mais ferrado, só conseguiu aquele vôo as 7 horas da manhã, provavelmente você acordou de madrugada com tudo escuro para dar tempo de tomar um banho, comer alguma coisa se deslocar para o aeroporto a tempo de fazer o check-in às 6 horas da manhã. Nessa hora você está morto de sono e recebe a informação de que o vôo que você iria pegar está atrasado é aí que você começa a identificar os passageiros do vôo atrasado. O que é uma identificação muito fácil e rápida é só olhar aquele pessoal deitado nas cadeiras horríveis de 3 lugares. Essas pessoas em geral me deixam extremamente irritado, não pela falta de civilidade, mas pelo fato de por eu ser muito grande não conseguir esticar as pernas direito quando tento fazer o mesmo.

Uma das saídas para esses atrasos é dar uma passada na livraria do aeroporto e comprar alguma coisa para ler, preferencialmente uma revista ou jornal. Por que não livros? Bem esse é outro ponto clichê dos aeroportos: os livros que estão lá para serem vendidos são sempre Best-sellers, livros de auto-ajuda, ou aqueles livros falando da vida do bambambam do momento, seus conselhos para o sucesso ou como entender a mente milionária do dito cujo. Eu acho que só melhorou um pouquinho depois do advento dos pocket books. Onde dá para achar uns clássicos com os precinhos camaradas.

Agora o cúmulo da #putafaltadesacanagem é quando você fica preso já no terminal de embarque, por que em geral só tem aquelas lojas do tipo duttyfree e aquelas cafeterias onde a gente sabe que vai pagar uns R$ 10,00 por um café com um salgado, geralmente de proporções minúsculas. Eu me pergunto o que faria o Santos Dumont se ele visse que a aviação iria resultar nessa balbúrdia...

6 comentários:

Daniela Ramalho disse...

Por acaso adoro o ambiente de aeroporto, ver as letras a mudar nos placards, as malas a correr pelo chão e montes de pessoas com um ar contente porque estão a chegar ao destino de férias que ansiavam e outras com um ar pesado porque estão a voltar a casa :P mas a verdade é que nunca tive o azar de o meu avião se atrasar, pelo que nunca passei horas fechadas num aeroporto à espera do voo.

Mônica Wesley disse...

Se Santos Dumont estivesse vivo para assistir isso, com certeza se mataria novamente.
Acho que a iluminação deve ser projetada justamente pra isso, para vc não ver o tempo passar... Há! Boa conclusão...
Quanto a espera... e a comprar qualuqer coisa em aeroporto, nem rola, além de ser o triplo do preço dos livros fora dele, vc encontra essa dificuldade em achar os tipos de livros que gostas. O melhor remédio é prevenir. Compre um bom livro antes e prepare seu psicológico para ESPERAR. O_O

Pequeno Grande Mundo disse...

Não gosto de aeroportos... Sempre tem muita saudade lá, ou das pessoas q vão ou das pessoas q vem...

Leonardo Xavier disse...

Ah Karoll, eu acho que a questão da saudade eu tenho apreendido a conviver com ela. Eu acho que ao longo da vida as pessoas sempre vem e vão, algumas talvez até voltem outras não... faz parte da vida... se a pessoa deixou saudade é por que algo foi bom.

S. disse...

Existe um conceito para essa sensação que vc tem nos aeroportos, shoppings, etc. É o dos não-lugares. O tempo ali n existe e nada é familiar ou reconfortante. abracinhos doces e obrigado pela visitinha no blog. Qd o trabalho com as cartas ficar pronto, mando uma fotinho para vc, ok?

Leonardo Xavier disse...

Oi S. eu que agradeço por você estar sempre por aqui. E quanto a foto está combinado. Só mandar um mail para mim.

^^