quinta-feira, 8 de abril de 2010

Tudo Culpa da Mídia Sensacionalista!

Jornalismo sensacionalista

Se me perguntassem por que eu gosto de escrever aqui no “Discordando do Mundo”, eu acho que eu teria uma resposta muito simples: eu acho que escrever no blog me dá retorno. Não do ponto de vista financeiro, apesar de eu ainda ter o meu plano de ficar rico com o Google Adsense, mas do ponto de vista pessoal. Eu acho que muitas vezes os comentários ou mesmo o texto de outros blogs me levam a certas reflexões.


Justamente um comentário da Rachel Chagas, a respeito de não se verem as pessoas trabalhando em prol de melhorar a sociedade em que a gente vive, ficou me rodopiando na cabeça. Pois nos últimos dias justo a sensação que eu tinha dentro de mim do contrário, pelo fato de eu ter visto algumas palestras no TEDx São Paulo que eu realmente achei inspiradoras. No fim de tudo me veio a seguinte idéia: existe sim muita gente querendo fazer a diferença na nossa sociedade e muita gente que realmente que consegue efetivamente fazer a diferença.


Por mais pessimista que eu seja pessimista, e realmente sei que eu sou, na sua cidade provavelmente deve ter uma ONG, um grupo religioso ou mesmo um grupo de amigos que faça algum trabalho de inclusão social. Entretanto, é interessante como esses grupos adquirem certa invisibilidade perante a sociedade. Provavelmente, você já percebeu como grupos que levam adiante esse tipo de iniciativa por conta própria são negligenciados pelos meios de comunicação.


Você pode até alegar que é estatisticamente esse grupo de pessoas é pequeno, a quantidade de pessoas tentando causar um impacto positivo no mundo é irrelevante perante a sociedade como um todo. Contudo, ao abrirmos os jornais ou ao assistirmos telejornais, presenciamos todos os dias um grupo também igualmente insignificante do ponto de vista estatístico nas principais manchetes. Sim, basta acessar qualquer meio de informação e lá estão os criminosos e outros casos de desvio de conduta no topo do noticiário.


Desse modo só no resta descobrir de quem é a culpa, da mídia conspiradora? Não! Eu acho que vivemos numa sociedade de consumo, se escrever sobre assassinatos e corrupção atrai mais consumidores de notícias, obviamente que as pessoas responsáveis por selecionar, editar e publicar os fatos que estão ocorrendo na nossa sociedade irão optar por esse caminho. Afinal de contas, as pessoas respondem mais rápido a estímulos positivos. Você pode perceber isso até mesmo em alguns blogs, algumas vezes ele até tem um conteúdo legal e textos que possuem contribuições positivas, mas de repente o sujeito percebe que escrevendo sempre sobre os hypes da semana, ele atrai um público maior e, conseqüentemente, ganha mais dinheiro com publicidade. Chegando a um ponto tal de publicar notícias, ou melhor nãotícias, que não tem nada a adicionar.


E tudo isso me faz questionar essa postura que a sociedade como consumidora de mídia adota. Por fim eu faço o seguinte questionamento, se as notícias que mostram indivíduos gerando problemas sociais são tão fáceis de consumir? Por que a sociedade não se interessa em consumir notícias a respeito de pessoas que procuram minimizar estes problemas? Afinal de contas pessoas lutando por um mundo melhor existem aos montes, o problema é a sociedade parar para escutá-las e aprender alguma coisa com elas.

7 comentários:

Welton Nogueira disse...

O problema é que a grande maioria dos seres humanos infelizmente não tem sentimentos de coletividade. Só pensam em melhorar a própria vida. Por isso, por mais sádico que pareça, torna-se interessante ver pessoas em situação pior. Quando os seres humanos tiverem consciência de que estamos todos no mesmo barco, talvez as coisas melhores.

Mônica Wesley disse...

Falando somente por mim, não acho interessante ver pessoas em situações piores q as minha, isso não me ajuda em nada(prefiro nem assistir jornais), mas se não consigo resolver nem os meus problemas, não sou altruísta ao ponto de parar pra tentar resolver o dos outros...

Ninguém me ajuda, não farei a linha madre tereza aqui só pra parecer boazinha.

"Que agora, lá fora,
O mundo todo é uma ilha
A milhas e milhas e milhas de qualquer lugar..."

Raquel disse...

vi essa capa hj pela manhã, quando um grupo de colegas apresentava uma pesquisa sobre jornalismo popular. achei essa coincidência interessante.
o legal do seu texto é que você, diferentemente da maioria, não acha que tem um grande capetão no fundo da redação d um jornal, ou nos bastidores de um programa de tv "manipulando" todas as mentes.
esse seu questionamento final é inesgotável. por que as pessoas desejam o que desejam? são tantos os fatores. discussões sobre ética são inesgotáveis.

Daniela Ramalho disse...

foi curioso mencionares os blogues, porque eu às vezes tenho a sensação de que os textos mais fracos que publicam são os que têm mais comentários. é estranho :p mas regra geral, os jornais que vendem lixo são os mais vendidos. as pessoas são estranhas.

Leonardo Xavier disse...

Welton, eu também nunca entendi muito essa perversão de se sentir feliz com a desgraça alheia.

Mônica, plagiando um filme bem piegas que eu vi, mas não recordo o nome. "As pessoas são todas ilhas, mas algumas ilhas fazem parte de um arquipélago". Ou algo do parecido.

Raquel, eu até acreditaria que existe complô da mídia para manipular a mente das pessoas se nós não vivêssemos num sistema capitalista onde conglomerados de mídia concorrem entre si. Se algum deles tentar nos empurrar goela abaixo uma versão fraudulenta da realidade, o concorrente vai ter um belo furo de reportagem com denúncia. É por isso que adoro a dobradinha liberdades individuais e capitalismo, nada de empresa estatal com monopólio dos meios de comunicação!

Daniela, eu também acho estranho a repercussão de certos textos no meu próprio blog. Tipo existem certos textos que eu acho que gerariam muito mais comentário por serem polêmicos algumas vezes geram menos repercussão do que textos mais ingênuos. No entanto, independente do número de comentários sempre tem algum que nos faz rever pontos de vista.

Natália Bongiovani disse...

Pois é, Leonardo. Seu texto está corretíssimo. E como você disse, a mídia apenas publica o que dá retorno. E de acordo com os valores-notícia, "más notícias são boas notícias". É o que chama a atenção do público

Felipe "Miro" 'Dreads' disse...

É claro... isso sempre aconteceu? publicar coisas suaves? pacíficas? isso não faz sentido.... paz... felicidade... isso não costuma gerar muito dinheiro... não faz tanto sentido

Boas notícias são as más como disse a colega aí em cima....