domingo, 25 de abril de 2010

Dos caminhos para a felicidade


Algumas vezes, por mais que a felicidade possa parecer algo complexo, eu acho que o caminho para ela deveria ser algo bem simples, pelo menos em teoria. Num primeiro momento, tudo que teríamos que fazer consistiria em fazer aquilo que nos dá prazer, manter as pessoas que nos fazem bem por perto, ficar longe daqueles que nos fazem mal. Em teoria tudo mais seria supérfluo.
No entanto, parece que nem sempre o mundo real e mundo das idéias coincidem. Nem sempre é tão fácil manter as pessoas que nos fazem bem ali por perto e, por uma triste ironia, algumas vezes elas acabam se afastando por diversos fatores, seja a própria questão da distância geográfica quanto o problema da falta de tempo.
E quantas vezes, não vamos para locais distantes, longe disso que realmente importa e nos apegamos a trabalhos a tarefas que nem sempre nos dão tanto prazer, mas nos toma o tempo que poderíamos estar dedicando a nossos entes queridos ou as atividades que realmente nos tornam felizes. O pior é que fazemos tudo isso achando que estamos seguindo o caminho correto, correndo atrás de uma suposta felicidade calcada em coisas materiais que uma vez possuídas não tem mais toda aquela importância que aparentavam ter anteriormente.
Sim, eu sei que as pessoas precisam algumas vezes fazer certos sacrifícios, por que sem sombra de dúvidas existem contas a serem pagas. No entanto é comum que na busca obstinada por coisas supérfluas, algumas pessoas deixem de dedicar a sua vida ao que realmente importa. Afinal de contas, os bens materiais que conseguimos deveriam servir para dar suporte a nossa vida e não o contrário.

7 comentários:

Felipe "Miro" 'Dreads' disse...

É como você disse... a felicidade é muito simples de ser encontrada... mas desde sempre o mundo em que vivemos cria obstáculos e nem nos damos conta. Achamos que tudo isso é normal.

Manter as pessoas e coisas que nos fazem bem é fácil em teoria.

O difícil é manter distância daquilo que nos faz mal.

Mônica Wesley disse...

Quando eu souber o q é felicidade, direi se sou ou não.

Daniela Ramalho disse...

O problema é que nos ensinaram a fazer das coisas materiais o primeiro patamar e tudo o resto vem depois. Portanto, hoje vivemos obcecados por ter uma quantidade de coisas achando que é isso que nos vai fazer felizes, quando na realidade nem sempre é assim.

Paula disse...

EU sou da teoria de que o simples e o conquistado é o que vai te fazer feliz, sabe? Adoro acordar, olhar para o céu azul, lindo, limpo, sair do quarto, ver meus pais, meus filhotes, dar bom dia ao noivo...são as coisas simples que me fazem feliz! A felicidade já está em nós...basta deixar ela sair...ou não? =o)

Saudades dos seus comentários...esqueceu de mim, foi? risos
Beijokas

Rachel Chagas disse...

Eu já tinha lido esse texto seu mas, fiquei sem saber ao certo o que comentar, não por falta do que falar e, sim o contrário. Muita, muita coisa para falar sobre o assunto.
Daí que hoje, coincidencia ou não, assisti ao filme "Click" que, ao meu ver, resume muito bem o que eu gostaria de deixar registrado aqui. É um filme que por mais que a gente assista, sempre nos deixa pensando no que estamos fazendo da nossa vida.
Caso não tenha assistido, eu recomendo, é muito bom, divertido e triste ao mesmo tempo (sempre choro, ainda mais hoje de TPM)...

PS: sandalia de "pedreiro" são aquelas azul bebe ou verde mato com (ou sem) aquela listrinha branca na lateral. Quando não é a listrinha, sao as mesma cores, azul bebe ou, verde mato, mas com o fundo branco. Breeeeeeeeeeeeega demais...
Já sabe qual é agora?

Beijão

Leonardo Xavier disse...

Miro, eu acho que você tem certa razão, algumas vezes por algo ou alguém que a gente goste, acabamos acorrentado a coisas e pessoas que não gostamos.

Daniela, eu acho que você tem toda razão. quantas vezes a gente não compra uma coisas e depois simplesmente larga lá, nem usa tanto quanto acreditava que ia usar.

Paula, eu concordo contigo em parte, por que eu acho que algumas vezes tem a questão de buscar novos desafios. Não que eles tenham que ser materiais, mas buscar desenvolver algo a mais também pode ser interessante. Tipo fazer novos amigos ou desenvolver alguma habilidade artística.

Rachel, Click é legal! Meio cafoninha, mais é um filme divertido e ilustra bem idéia do que eu queria passar.

ps: Eu acho que eu já tive uma havaiana de pedreiro e quem nunca teve que atire a primeira pedra. kkkkkk!

Camila disse...

Pois é Leonardo, acho que no fim das contas cada um tem um conceito de felicidade e de como encontrá-la. Para algumas pessoas é importante o sucesso profissional, o dinhero... mais importante do que estar ao lado das pessoas queridas. Para outras isso seria inconcebível. Mas de certo: a vida é cheia de abdicações desde as mais banais do dia a dia até as grandes como ficar longe (fisicamente) da família. Cada um tem seu caminho e nem sempre ele está ligado às pessoas que nos acompanham desde pequenos.