quarta-feira, 17 de março de 2010

Eleições 2010: Se você pudesse escolher não escolher?

Eleições 2010 Darth Vader

Depois de ler esse texto no blog De Paris, eu fiquei refletindo sobre os dados lá apresentados: 1 de cada 2 eleitores franceses usaram o seu direito de escolha e preferiram ficar em casa nas eleições regionais. Honestamente eu não esperaria um número tão grande de abstenção de votos, até pela imagem que a França passa de ser um país extremamente politizado e ainda por cima ser um país desenvolvido com uma educação que com certeza deve ser bem melhor na média que no Brasil.

Depois disso tudo eu fico aqui pensando, pensando o que aconteceria se no Brasil o direito de voto não fosse uma obrigação? E se tivéssemos o direito de ficar em casa no dia das eleições? Quais seriam os impactos? Eu fiquei pensando a respeito disso e surgiram algumas idéias.
Se há um fato certo, este é que teríamos uma baixa no número de eleitores. Pois eu não tenho dúvidas que o cidadão médio se desinteressa por política, o que em parte pode ser justificado pelo descaso dos políticos em relação à opinião pública e uma quantidade enorme de escândalos e impunidade, que decerto não contribuem muito para que essa situação se altere.

Tendo em vista o exposto, eu acredito que provavelmente se tivéssemos a escolha de “não escolher”, a decisão das eleições provavelmente cairia na mão de dois grupos: os cidadãos que realmente se interessam por política e outro grupo constituído pela militância partidária. Talvez a concentração de poder decisório no primeiro grupo seja até interessante, em teoria teríamos pessoas conscientes, bem informadas e, portanto, mais difíceis de manipular. Obviamente que existem intersecções desse grupo com o grupo da militância, mas eu acho que diferentemente o primeiro seria um grupo muito mais flexível quanto a sua escolha e mais imparcial por não apresentar vinculação com nenhum partido.

Eu acredito que o pessoal da militância, em tese, também tem seria um eleitorado mais consciente, entretanto em alguns casos a militância acaba caindo num dogmatismo. As pessoas passam a fazer tudo pelo partido e a enxergar conspiradores para todos os lados. E esse tipo de eleitorado acaba no fim das contas tomando suas decisões pautadas nos interesses do partido, ao invés de priorizar escolhas que seriam melhores para a sociedade.

E depois disso tudo o que fica é a seguinte questão: O que você faria se os votos fossem facultativos na eleição 2010? Se lhe fosse permitido a opção de “não escolher”, você votaria do mesmo modo ou iria aproveitar para tomar uma cervejinha e apreciar a praia?

9 comentários:

Welton Nogueira disse...

Cara, eu sou totalmente a favor do voto facultativo. Afinal, que diabo de democracia é essa em que a gente é obrigado a votar Democracia é o inverso de obrigação. Foi pra não sermos obrigados a nada que saímos da ditadura.
Mesmo assim, eu não deixaria de votar, a menos que eu não goste de nenhum dos candidatos.

Mônica Wesley disse...

Tenho minhas ressalvas quanto a democracia(em questão de política), mas ainda vou falar sobre isso lá no blog. Quanto ao voto não ser obrigatório, seria ótimo... não ser punido pq tá em outro estado e não justificou... etc... =}

Rachel Chagas disse...

Olha, a cervejinha eu dispenso mas, uma boa de uma água de coco, debaixo de uma sombrinha somente olhando o mar, até que não me fariam mal não... uahuahuahauhaua

Andrade disse...

Eu estaria em casa, cochilando a tarde..afinal não ganharia nada com as eleições..agora copa do mundo, essa eu não perco por nada!

Vai Brasil!

Daniela Ramalho disse...

Em Portugal o voto é facultativo e então existem números de abstenção mesmo muito elevados. Nas eleições no verão ninguém vota porque dizem que foram para a praia, nos dias de inverno porque está frio ou a chover. conclusão: as pessoas não têm mínimo interesse pela vida política e daí derivam muitos dos problemas actuais que estamos a viver. Os grupos de votantes dividem-se nos militantes de partidos, os que se interessam pela política e outras que votam alternadamente nos dois maiores partidos. Nunca saímos do sítio.

Às vezes acho que o voto deveria passar a ser obrigatório em portugal.

Leonardo Xavier disse...

Poxa Daniela, você acredita que realmente faria diferença se as pessoas que supostamente se absteriam de votar, passassem a votar compulsoriamente? Será que isso faz as pessoas se interessarem mais por política?

Daniela Ramalho disse...

Não sei se elas iam ficar mais conscientes politicamente, mas sei que ao menos ia acabar com situações de 80% de abstenção.
A verdade é que mais eficaz seria os governos consciencializarem as pessoas para a importância de votarem e de serem activas politicamente. Principalmente porque portugal há 40 anos ainda vivia em ditadura

Paula disse...

A questão da democracia e o voto facultativo no Brasil são duas coisas que não combinam...explico: não é interessante para os políticos que o voto seja facultativo porque eles perderão o eleitorado "mais inocente" (coloquemos assim)!! Ao mesmo tempo, é um direito que é dever pela constituição!

Por mim, votaria, mas porque quero e gosto de exercer meu DIREITO de cidadã! Inclusive, fui mesária por anos! Ao mesmo tempo, acho que o, tão falado, direito de ir e vir não é respeitado e nem a democracia existe...

Quando é obrigatório, não é satisfatório! concorda?
BEijos

Lucho disse...

Pode ter certeza que se eu pudesse escolher não escolher, eu certamente faria essa escolha (ficou esquisita a frase, não? Bom que se dane).

Adimito isso sem sentir vergonha alguma.