quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Projeções

Projeções


As idéias algumas vezes ficam martelando na minha cabeça repetidamente. Dessa vez o que ficou a malhar a minha consciência mais do malham o Judas na semana santa foi o fato de como criamos expectativas exageradas a respeito de relacionamentos. Eu acho que hoje em dia não só desejamos a perfeição no outro, nós praticamente exigimos isso.

É só perguntar a qualquer desses seus amigos que estão solteiros por opção o que eles esperam de um companheiro ideal. Muito provavelmente, independente de dos gostos ou preferências provavelmente eles irão descrever uma pessoa ideal, ou seja, que pertence somente ao mundo das idéias. E venhamos e convenhamos o mundo real é apenas um reflexo distorcido do mundo das idéias. Fugindo um pouco do tema já parou para perceber como certos conceitos como um material puro não existem de verdade, por que você nunca consegue isolar totalmente aquilo que você deseja e por mais que se tente sempre haverá uma parte ínfima de impurezas. Eu acho que é aí que reside o problema do relacionamento ideal, ele não existe.

Alguma vez você já pensou o quão pesada seria a tarefa de ter que se enquadrar perfeitamente na projeção que alguém fez de par romântico ideal? Faça o teste tente bancar o homem ou a mulher ideal da pessoa que você gosta Eu acho que muito provavelmente isso ia representar a anulação total de diversos traços da sua personalidade.

Do meu ponto de vista seria algo meio Missão Impossível II bastante frustrante. Principalmente devido ao fato de ninguém realmente desejar ser perfeito e provavelmente mesmo que desejasse ele não conseguiria alcançar esse feito. E aí que está a parte mais egoísta desse ponto de vista desejar e exigir do outro que ele seja infalível com você, enquanto o que você mais deseja para si é alguém que goste de você do jeito que você é. Eu acho que a maioria dos ideais de relacionamento se baseia nesse fato hipócrita de desejar que o outro seja infalível para com você, enquanto se espera que o outro lhe aceite exatamente como é sem alterar um único fio de cabelo.

Eu acho que as conseqüências se tornam meio óbvias: o outro vira uma tela onde nós simplesmente projetamos todas as nossas idealidades e sonhos de perfeição e depois acabamos todos reclamando.

5 comentários:

talitíssima disse...

Poisé, exatamente! concordo com tudo!
Sabe, isso me lembrou muito a Mulher Moderna da Terça insana (já viu? se não, procure no youtube pra dar umas risadas). Ela fala sobre relacionamento ser isso, vc pintar tudo sobre alguem e depois como num daqueles bonecos de parque sem rosto que vc enfia o seu rosto, vc enfia a cara de alguem lá e acha que a pessoa é o que vc esperava!

muito bom! ;)

Leonardo Xavier disse...

É essas idéia, eu acho que a metáfora dele é melhor do que a minha. kkkkk! E ela também me lembrou uma crônica que eu li sobre falta de diálogo nas relações, onde a esposa sonhava com flores e o marido sempre comprava eletrodomésticos de presente...

Nanda Vampire disse...

Concordo.Essas idéias de perfeição são utópicas demais.Eu procuro exigir o melhor que posso do outro,e não faço o melhor de mim? Não,eu não consigo pensar dessa forma,acho que por isso mesmo nunca durei muito,porque as pessoas não entendem que não quero me ADAPTAR,quero ser eu mesma,minha identidade não se transforma.

Jose mendes disse...

É uma das vantagem que eu vejo nas mulheres. Elas são mais realistas que os Homens. Pra começar encaram um relacionamento pensado que vai ficar velha ao lado do seu amando, mas quando o relacionamento acaba é parte que primeiro pisa em terra firme. O homem por sua vez é completamente fantasiosos e alguns até infelizes já que conseguem alimentar o desejo sexual da mulher perfeita através da boa e velha masturbação. Não existe mulher mais perfeita do que aquela que você possa imaginar. No entanto não tem punheta(sorry ladies) e nem imaginação que dê jeito quando a frustração é sentimental.
Acho até que essas estórias e contos de príncipe encantado foi algum "ultra-projecionista" que so inverteu o sexo dos personagens.

Jose mendes disse...

So uma ressalva, para minha resposta fazer sentido. Há que enquadra-la como fruto da leitura do post co-irmão "Live le die".