terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Unplugged...

- Unplugged...

Algumas vezes surge dentro de mim uma sensação estranha de desconexão com o mundo. Sinto que nada externo a mim me toca e me cativa. Sentimento estranho de inadequação, sinto que não faço parte dos grupos e que talvez nem sinta vontade ou ânsia de fazê-lo. Desse sentimento surgem dúvida e incertezas, mas talvez surja uma verdade triste e pura. Talvez nunca realmente façamos parte de alguma coisa, somos todos completamente sozinhos.


Por mais que eu sinta que existem pessoas que efetivamente me amam, ou por mais que eu saiba que eu tenho amigos que me querem bem. Nesses momentos eu sinto que nenhuma deles jamais me entenderá por completo. E, sim, eu também sei que talvez não seja necessário compreender alguém por completo para amar essa pessoa e gostar dela.


No entanto,nesses momentos a sensação de solidão é bem maior e a sensação de ser incompreendido, faz querer ficar ainda mais isolado. Talvez eu nem quisesse mais ser amado nesses momentos, mas somente compreendido. Não, na verdade nessas horas tudo que eu pediria, seria para ser esquecido, até me tornar somente uma vaga e distante lembrança na memória daqueles que um dia me amaram...


7 comentários:

Paula disse...

Baixo astral, hein?
Hombre, vamos pensar assim: Por que vc gostaria de pertencer a alguma tribo? Eu sou adepta do bloco do eu sozinho...não precisamos de ninguém para sermos felizes, nós que fazemos a nossa felicidade...o mistério de não saber quem é o seu amigo como um todo é que o faz amá-lo...surpresas sempre são bem vindas...ou seja...seja sempre, mas sempre mesmo, mais você!
Bjs,
Paula

Lah disse...

olha nunca fui de tribos, sempre fui por mim mesma, e não vejo nada de errado nisso...nunca tive muitos amigos, e nunca "percebi" o amor das pessoas..
mas quando a gente menos espera aparecem coisa boas na nossa vida, e pessoas boas tbm.
e a gente da um giro de 360° e tudo muda completamente,,,,


é só uma fase....

Patrícia disse...

Ninguém nos compreende totalmente, nem nós mesmos.
Todo mundo já tomou aquela atitude e depois "que raios eu tava fazendo". Não força muito a cabeça se não pifa!
Beijo

Mônica Wesley disse...

“Ando só, pois só eu sei pra onde ir. Ando só, pois só eu sei andar, sem saber até quando... ando só.” Gostei do blog. =***

Natália Bongiovani disse...

Profundo o texto! Amei o blog! Você está de parabéns, Leonardo! Pelo pouco que li até agora, percebi que escreve muito bem e possui boas ideias! Abraços!

antonioni disse...

Mas a graça é justamente essa, sassa: ter pessoas que nos queiram bem, mas que não consigam nos decifrar. Ser totalmente transparente deve ser um saco. Manter algo incompreendido pros demais é o que nos torna interessantes. IMO, claro.

Antonioni

Leonardo Xavier disse...

Antonioni, eu acho que é muito de dosagem, eu acho que se passar da conta fica faltando conexão.