quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Haiti, Haiti, Haiti...

Haiti Bandeira Flag
- Esse é um post sem fotos da tragédia!


Eu tenho acompanhado as notícias na internet nas última semana e tudo que aparece nos feeds é Haiti, Zilda Arns, Haiti, Minustah, Haiti, Nelson Jobim, Haiti e Haiti. E lá está um país esquecido por todos, no foco das atenções, tá eu confesso que até que a missão de paz já tinha alguma repercussão na mídia nacional e que essa missão era uma das estratégias que a diplomacia brasileira utiliza para realizar o seu sonho de conseguir uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU.


E haja notícia que não informa para todos os lados às quais em seguida somam-se as fotos sensacionalistas mostrando corpos das vítimas. Lembro-me de ler nos feeds de um jornal que eu acompanho umas três notícias no mesmo dia falando da Zilda Arns, um deles anunciava o velório, no outro dizia que o velório havia começado e por fim que evento havia acaba. Isso só pode ter uma justificativa falta de pauta.


Depois disso tudo eu fico pensando e me surge a seguinte idéia: por que será que notícia ruim sempre rende mais? Será isso um fenômeno brasileiro ou os tablóides internacionais também vivem de anunciar desgraça e tristeza? Será que noutros países as pessoas também se interessam avidamente por notícias de tragédias, assassinatos e guerras?


Eu concordo que é interessante que se divulgue, o que se passa durante essas tragédias, em geral isso também tem um efeito positivo: pois sensibiliza as pessoas a ajudarem as vítimas desse tipo de tragédia enviando doações ou incentivando os seus governantes a fazê-lo. Isso cria uma grande mobilização global, eu acredito que neste uma quantidade enorme de pessoas deve estar a se mobilizar ao redor do globo criando toda uma rede de solidariedade. No entanto também surge uma grande quantidade de oportunistas querendo tirar proveito dessa vontade de ajudar, por exemplo, eu já ouvi falar de uma rede de lanchonetes que estava usando a velha estratégia doar os lucros da venda de um determinado sanduíche.


Outra coisa que me irrita é como as autoridades se aproveitam dessas tragédias para fazer palanque em cima do cadáver das vítimas. Aliás, nesse último ponto eu acho que o Ministro da defesa tem dado um show, já prometeu manter a missão de paz por mais cinco anos e anda tentando tirar satisfações com os yankees que resolveram ajudar o Haiti agora, ao meu ver provavelmente interessados em lucrar na reconstrução do país... Haiti, Haiti, Haiti... pobre de ti.

8 comentários:

Natália Bongiovani disse...

Também não aguento mais ouvir falar em Haiti. Mas, respondendo à sua pergunta, existe no jornalismo algo chamado valor-notícia. Os valores-notícia relacionam-se ao interesse do público. E um dos principais valores-notícia está ligado às más notícias. Tanto que utilizamos a frase: "Más notícias são boas notícias". O público gosta de tragédias porque tragédias são inéditas, ainda que sempre ocorram tragédias. Cada tragédia é única e envolve pessoas diferentes. E é aí que entramos em outro valor-notícia: o número de pessoas envolvidas. Quanto mais pessoas estiverem envolvidas, mais a notícia irá render. Resumindo, este fenômeno não ocorre apenas no Brasil. Mas é óbvio que há influência governamental nisso tudo e isso faz com que entremos em um outro conceito jornalístico; a tendenciosidade da mídia. Porém, acho que já digitei demais e você vai se chatear comigo.
Abraços!

Fernanda disse...

Concordo,parece que quanto maior a tragedia melhor...depois dessa tragedia no Haiti ninguem mais se lembra da tragedia do Rio de Janeiro,os jornalistas se aproveitam das cenas mostrando corpos e mais corpos e pessoas nos escombros..uma pena...

Rachel Chagas disse...

Olha, sinceramente, eu nem perco tempo assistindo a essas coisas, é realmente muito sensacionalismo e desgraça junto. E de qualquer forma, mesmo que eu não pare pra assistir, fico sabendo, por que o assunto é sempre esse, acho que com voce citou, o povo parece gostar é de noticia ruim e fica se alimentando disso.
Fico triste em vários pontos dessa tragédia e vários deles já foram citados aqui por você. Realmente lamentável.

PS: não Leonardo, como já era de se esperar, o garoto não ligou, por conta disso que nem perco meu tempo... :P

PS 2: dias melhores PRA SEMPRE, aqui, lá e em todo o mundo. Não sei se a gente merece, mas... acho que acreditar nisso a gente pode, né?!

jefhcardoso disse...

Você segue a Liberdade. Isso é algo revelador. Quero lhe convidar a conhecer o meu blog. Vai que você goste. Não sei.
Convido assim, sem oferecer nada além do convite, na cara dura, sem prometer nada.
Vai que você gosta de quem é direto. Não sei.

http://jefhcardoso.blogspot.com Abraço!

Lah disse...

Sim, parece que tragédia rende mais, é ridiculo, detesto TV
Evito essas coisas. mas ta na "onda" também, escrever sobre isso e postar fotos de destruição e guerra por comida...

beijo

bom FDS

Mary disse...

Achei de muito bom gosto não colocar fotos dramáticas.
A situação é séria e muito grave. O país, que já era arrasado política e economicamente, agora sofre um golpe da natureza e reergê-lo não vai ser uma tarefa simples.
Porém, o oportunismo de empresas, grandes marcas, emissoras e afins, faz com que o assunto torne-se banal e (com certeza) logo logo vai ser mais um blablablá na TV (já está assim, não é?).
Infelizmente, o sensacionalismo e oportunismo acabam por atrapalhar a situação, muito mais do que amenizá-la.
Muito bom texto.
=)

Dr. do absurdo disse...

Não adianta, a mídia gosta de mostrar as mazelasa até que apareça outra tragédia maior e assim, uma substitui a outra. Sempre assim. Mas há também o outro lado disso tudo, o engajamento e a solidariedade das pessoas, que é sim bastante válido.

abração

Eliana Gerânio Honório. disse...

Tá certo.