quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Religião e Política... Eu discuto!

Bento XVI


Bem melhor do que discutir Futebol, pelo menos eu acho. Ora por que eu estou falando nisso? Eu li uns comentário no tuíter e escutei algumas pessoas na rua criticando um desses novos Padres, que cantam, dançam e sapateiam. Enfim a crítica que eu li reclamava do fato do portador de batinas mais famoso do show business no momento, o Padre Fábio de Melo, estar vendendo shows.

Nessas horas eu me pergunto onde que estava todo esse moralismo quando os padres começaram a produzir e vender discos e freqüentar programas de auditório? Por que vender discos é moralmente aceitável e vender ingressos pra show não é? Eu acho que essa não é uma discussão nem tão nova assim, eu acho que no final da década de 80 já tínhamos padres cantores e na década de 90 ouve um estouro do movimento da renovação carismática católica, com o Padre Marcelo Rossi.

Eu acredito que por mais que as pessoas tenham fé na Igreja católica, ela é uma instituição e tem seus custos para manter templos e realizar obras assistencialistas. Então eu me pergunto qual a diferença de um padre arrecadar dinheiro para essas obras fazendo shows, vendendo CDs, ou passando sacolinha na missa? Eu acho que seria moralmente criticável, se o padre tivesse utilizando desse show business cristão para arrecadar dinheiro para comprar carrões e correntes de ouro mais pesadas que os cadeados daqui da porta de casa.

Eu como ateu acho até mais interessante a questão dos CDs e shows que pelo menos geram emprego e renda para os músicos e pessoal envolvido na produção, e tem algo mais cristão do que dar oportunidade para que as pessoas se desenvolvam e manifestem seus talentos?

Um comentário:

Tito Lima disse...

Sem contar que o Pe. Marcelo até tem umas músicas suingadas, vai!

Concordo com você, não vejo nada demais nos religiosos se meterem no showbiz. Acho que assim, pelo menos, ganham dinheiro honestamente.
Melhor do que viver enganando fiéis (a quê?) e roubando seus bens...
Mas pra entrar nessa questão eu tenho que pedir uma cerveja...
Té mais.