quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Sombras e Projeções

Sombras e Projeções

Outro dia, cá estava eu a divagar com os meus botões: Como nos realmente vemos o mundo de maneira superficial, especialmente se tratando de pessoas. Lá estava eu entretido no meu monólogo, pensando em como na maioria das vezes não nos relacionamos com as pessoas em si, mas com sombras!


Sim, na maioria das vezes não nos relacionamos com as pessoas, mas simplesmente com suas projeções. Este fato se dá especialmente quando começamos as nos relacionar com as mesmas. Inicialmente, isso se dá pela falta de informações a respeito dessas pessoas. Então simplesmente nos relacionamos com aquilo que elas nos passam e não com aquilo que elas realmente são.


Ainda mais curioso é o processo, quando gradativamente no relacionamos mais profundamente com essas pessoas e, com isso, obtemos pouco a pouco mais informações. Nessas horas é interessante perceber como aquela sombra escura e indefinida passa a ganhar cores e contornos mais nítidos. Até que, finalmente, passamos a ver as pessoas como elas realmente são ou algo mais próximo disso.


Em alguns casos, eu concordo que as sombras realmente são muito mais coloridas que as pessoas em si. Isso geralmente ocorre com aquelas paixonites. Cá estamos apaixonados e só vemos qualidades no objeto de admiração, lá está a projeção da musa completamente perfeita, nunca vimos projeção mais bonita! Então começa a convivência e quando olhamos lá onde estão aquelas cores que nós tínhamos visto anteriormente.


Em outra categoria, estão aquelas sombra que fazem parte do cenário, simplesmente fazendo figuração nas nossas vidas. Aquelas mesmas pessoas que você, sempre vê na parada de ônibus ou na estação do metrô, mas que nunca você conversou ou interagiu. Às vezes você até para olha e se questiona o que aquelas pessoas fazem, se elas têm família e quais seus passa-tempos.


No entanto, pra mim o mais interessante mesmo é se aproximar de uma dessas sombras e projeções e pouco a pouco passamos a ver “A vida como ela é”. E o mais interessante é que tudo começa de um jeito tão simples:


- Oi, tudo bem? Eu sou o fulano.


- Oi fulano!

2 comentários:

Iury Sousa e Silva disse...

As sombras são super válidas, a superficialidade nao deixa de ser bela... Entretando as cores vivas, ao meu ver, podem ser até mais feias , mas são mais VIVAS!

Abração Leonardo, e espero ver sempre suas verdadeiras cores!

Jorge Ramiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.