segunda-feira, 6 de julho de 2009

Viva la Republica de Bananas

É meus caros amigos parece que o Hugo Chávez lançou mais uma modinha na América Latina. Ao que parece o hit do momento são os ditadores “democráticos”.

Como assim ditadores democráticos? Calma que eu explico: Primeiramente, dá-se um jeito de ser eleito democraticamente. Nesta etapa não importa se as eleições forem fraudulentas ou não. Em seguida, trata-se de adotar uma política populista e, com a popularidade em alta, trata-se de dar início a perseguição de seus desafetos. Na seqüência invocam-se plebiscitos, cujos votos já foram comprados com as políticas populistas, para alterar a constituição e permanecer no poder por quantos mandados lhe interesse. Agora, finalmente podem-se cometer desmandos à vontade e ad eternum.

Viu como é simples qualquer republiqueta de bananas pode fazer o seu ditador “democrático” em casa.

Por que eu estou falando disso? Ora o candidato a ditador fracassado presidente de Honduras Manuel Zelaya tentou usar a mesma técnica acima descrita e muy bien implementada por um certo ditador Venezuelano. Ao que parece no caso hondurenho, as coisas não saíram muito bem e o candidato a ditador presidente, acabou sendo deposto por um governo provisório formado por lideres políticos e militares. Tentou passar por cima das decisões do legislativo e do Judiciário, o pessoal não gostou e os militares foram buscar ele dentro de casa (É! Eu também pensava que esse tipo de coisa só acontecia em acertos de conta entre traficantes de favela, mas cada país tem a democracia que merece!).

Zelaya

É seu Zelaya ! Esse bigode deve fazer sucesso com mulheres, só não funcionou com a oposição!

Sim! É aí que começa o samba do crioulo doido: a Organização dos Países Americanos negocia com o governo interino, a ONU também se mete no assunto e por os EUA mandam a Secretária de Estado se encontrar com o Presidente deposto. Belo enredo pra novela mexicana, se ela não fosse hondurenha. Aguardamos ansiosamente as cenas do próximo capítulo.

Nenhum comentário: